segunda-feira, maio 10, 2021

Eu, proprietária








 


 

Por razões que já conhecem tive que assumir o papel de cuidadora de alguns terrenos que me estão a dar que fazer.

Encontrar alguém que limpe, corte, pode e queime não é tarefa fácil nem barata.

Quando encontramos alguém, pagamos o que nos pedem e ainda ficamos agradecidos.

São propriedades que foram bem cuidadas e que produziram azeite, fruta, batatas, milho mas que estavam ao abandono nos últimos anos.

Pode ser que para o ano o meu olival produza o azeite maravilhoso que dava no tempo dos meus avós e do meu pai.

Não me admira que a pequena e média propriedade esteja abandonada com o envelhecimento dos seus donos e o custo da mão de obra.

E é uma pena!

14 comentários:

  1. Eu sei, eu sei... mas é DIVINO, o chão, os verdes, as coisas mansas que ficam ou brotam da terra. Oxalá consigas o ouro líquido das árvores de que tanto gosto!
    Abç

    ResponderEliminar
  2. Os mais jovens há muito que preferem as cidades, como sabes melhor que eu. O pequeno proprietário continua a ter grandes dificuldades. As propriedades podem ser de tamanhos razoáveis, como a tua parece ser, mas já não produzem o suficiente que permita contactar mão se obra de fora.

    ResponderEliminar
  3. Infelizmente poucos percebem as dores de cabeça de quem tem algo de seu! E o pior é que são esses que mandam nisto tudo...

    ResponderEliminar
  4. Ah quisera muito ter umas terrinhas para cuidar ,plantar, regar e colher, claro!
    Breve 'voltarão as flores' , como se diz por aqui. Com calma, encontrarás alguém para cuidar dessa riqueza verde. Assim, desejo .
    abraço e obrigada da partilha ,proprietária.

    ResponderEliminar
  5. Lindas e belas flores, lindas palavras que aqui escreveste nesta tua publicação, desejo continuação de um bom e abençoado mês de Maio para ti, muita paz, alegria e imensa saúde na tua vida, muitos beijinhos e fica bem!!

    ResponderEliminar
  6. RV, tem toda a razão, paga-se e ainda se fica agradecido! Eu pago 10€/h a quem me vai fazer alguma coisa que eu já não consigo ou não quero fazer. O meu pedaço de terra é mt pequeno e mesmo assim o que de lá tiro, agora só fruta, fica-me bem mais do que pelo dobro! Ontem laranjas, muito melhores do que as minhas, estavam a 0.99 cêntimos no supermercado!
    Não é pois de admirar que a pequena e até média propriedade esteja abandonada...

    ResponderEliminar
  7. Lá está...contrariedades de quem tem...propriedades!
    Estou a brincar, Leo!

    Essa dificuldade na obtenção de mão de obra, e na sua carestia, é actualmente enfrentada por muitos donos de terras de cultivo que se vêem obrigados a deixá-las 'a monte'. O mesmo acontece com os olivais. Já ninguém quer trabalhar na terra.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. Tens razão : é uma pena que assim seja, mas compreendem-se os motivos...

    Abraço :)

    ResponderEliminar
  9. Caros amigos
    Muito gostaria que algum desses terrenos estivesse atrás da minha casa para poder olhar melhor por ele mas estão todos a alguns kms.
    Mesmo assim, enquanto puder, vou pelo menos mantê-los limpos.

    Abraço

    ResponderEliminar
  10. Eu vendia todos esses terrenos.
    E o teu filho não se interessa?
    Abraço grande da cidade 🚦

    ResponderEliminar
  11. É o que ele diz Teresa, mas vender a quem?
    As pessoas querem as coisas dadas e algumas dizem que nem dadas!
    Ele não tem vida para tomar conta destes terrenos.

    Abraço

    ResponderEliminar
  12. Compreendo-a perfeitamente embora eu não tenha qualquer terreno minha propriedade. Concordo que é uma pena as pequenas propriedades estarem ao abandono. Morrem os "velhotes" e os filhos ou netos não querem saber desses terrenos para nada a não ser... vendê-los.
    Mas quem os compra pelo seu justo valor?
    .
    Abraço virtual
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar