domingo, setembro 07, 2008

Na manhã azul...

Na manhã azul o som ouviu-se inconfundível.
Apurei o ouvido, não tinha dúvidas.
Fui à varanda, o som ouvia-se mais nítido e depois o homem surgiu com a bicicleta à mão, com aquele ar de senhor do mundo, assobiando no seu realejo.
Era um amolador de facas e tesouras , daqueles que também concertam chapéus e alguidares...
E logo a minha memória evocou a minha mãe e avó paterna a procurarem as facas que já não cortavam bem, assim como as tesouras.
E assistia com espanto à obra de arte que era gatear um prato de estimação ou um alguidar enorme onde a carne para as chouriças ficava em vinha de alho até ficar no ponto...
Agora tudo tem um curto prazo de validade, a minha avó e a minha mãe já não procuram nada e eu nem sei fazer chouriças...
E logo ontem, que deitei para o lixo uns pratos rachados...
E pensei que este amolador na manhã azul era um poema!
Ouvem-no?

32 comentários:

  1. Ouço, ou melhor não ouço, mas bem precisava de ser concertado!

    ResponderEliminar
  2. A partir do teu comentário verifiquei que cometi um erro imperdoável!
    Devia ter escrito CONSERTAM.
    São as chamadas palavras homófonas...
    Não sei como é que me escapou! :-((
    Também estou a precisar de conserto!

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Ouço , ouço muito bem o amolador através da sua flauta aflautada. Quando surgia o seu chamamento logo a minha mão me mandava com as facas e os sombreiros para consertar . Gostava muito de conversar com ele e admirava a sua máquina .
    Que saudades eu tenho do largo onde morava ...

    ResponderEliminar
  4. Achei-vos graça, porque o amolador é visita bastante assídua nos meus lados. E já pude verificar que faz boa obra.

    ResponderEliminar
  5. Novo site da Rede PNET - Pnetliteratua

    Http://www.PNETliteratura.pt

    ResponderEliminar
  6. Novo site da Rede PNET - Pnetliteratua

    Http://www.PNETliteratura.pt

    ResponderEliminar
  7. o que escreveste, sim, é prosa poética, Rosa.

    De vez enquanto passa um à minha rua, a adivinhar chuva (e acertam quase sempre, devem ver o boletim meteorológico na net...).

    lembro-me de ver pratos "gateados", talvez na casa da avó...

    bjs

    ResponderEliminar
  8. Recordar é viver,frase mais do que estafada,mas esta recriação/recordação,fez~me chorar sério (eu que dizia já não ter lágrimas molhadas),mas fez-me bem.
    Abraço Kincas

    ResponderEliminar
  9. Pois é, tive dúvidas, estive para ir ao velho Porto Editora, mas perante a mestra...e madrinha!

    Os mestres também se enganam!

    Eu já nem com conserto lá vou...!

    Bjs

    ResponderEliminar
  10. Também há tempo ouvi um amolador no meu bairro e achei que era uma raridade. Se calhar ainda os há muitos por Lisboa . Talvez valesse a pena começar a juntar as facas, os alguidares, panelas e chapéus de chuva. Um dia, voltaremos a não deitar tudo fora ...
    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Pois é, Escutador, as madrinhas podem enganar-se mas aos mestres não se pode perdoar certos erros e este foi de palmatória!

    Abraço

    ResponderEliminar
  12. Afinal estou a ver que há por aí mais amoladores do que eu pensava, segundo o M.C. e a Goiaba.. :-))
    São então poemas ambulantes!

    Abraço

    ResponderEliminar
  13. Caro Luís
    Por aqui são os vendedores de sementes de nabo que adivinham chuva, mas penso que a chuva também está associada aos "conserta chapéus", por isso mesmo... :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
  14. Chorar porquê, querida Kincas?
    Precisas de mandar consertar os óculos! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
  15. Sim, Rosa, ouço-o perfeitamente através das tuas belas palavras.E das minhas memórias, que tu avivaste...

    ResponderEliminar
  16. A minha mãe dizia que o amolador anunciava chuva.Hoje também encontrei um de manhã.Será que vai chover?

    ResponderEliminar
  17. Talvez, Teresa!
    Já hoje o ouvi de novo, na manhã azul1 :-))

    Abraço para o lado de lá da cidade

    ResponderEliminar
  18. A última vez que o ouvi, eram dois ciganos que assumiram o papel do tradicional amolador. O problema não foi em serem ciganos, foi em serem ladrões no preço do serviço.
    Resultado: discussão pegada no meio da rua e não paguei o que me pediram.

    O apito do amolador é sinal que vem ai a chuva.

    ResponderEliminar
  19. Estou de volta com um pedido de desculpa por não ter avisado que ia tanto tempo de férias. É visita rápida. Voltarei de novo para estar com tempo.

    ResponderEliminar
  20. Foi hoje a minha rentrée!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  21. Mas a mensagem você conseguiu passar. Continue assim. erros acontecem. está ótimo. abraços

    victors.gomez -
    projetos sociais artes

    ResponderEliminar
  22. Talvez gostem de visitar este site :-)

    http://www.PNETliteratura.pt

    ResponderEliminar
  23. Olá minha nova amiga.
    passei para conhecer seu blog.
    Voltarei mais vezes.
    Beijos da nova amiga.
    ReginaCoeli.

    ResponderEliminar
  24. sem duvida que e a poesia dos tempos, na nazare aparecem muitas vezes.

    ResponderEliminar
  25. O Amola Tesouras, com a sua bicicleta preta, armada com uma mó e um estojo de ferramentas na bagageira traseira, faz parte do imaginário que povoa a minha distante infância. Ao som caracteristíco da sua flauta, as dona-de casa juntavam-se aos magotes, enfeitadas com aqueles aventais que ainda por aí se vêem, e entregavam-lhe toda a sorte de facas e tesouras para que o mesteiral lhes devolvesse a agudeza de antanho.

    Eu, por essas alturas, colava o nariz à janela e observava as faíscas que se soltavam da roda de pedra, à medida que o sujeito lhe conferia a rotação necessária para as afiar.

    É uma figura, igual a outras tantas, que faz parte do imaginário da infância de muita gente da minha geração, bem como as carroças de mudanças e fretes, a prática de matar galinhas e esfolar coelhos nas praças públicas e os burros defecando livremente no chão enquanto aguardavam que os donos os descarregassem nas feiras e mercados.

    Enfim, tempos em que a ASAE não tinha sequer sido sonhada e que não voltam mais...

    ResponderEliminar
  26. Rosa,

    Ouço-o tão bem!

    Aqui na minha pequena aldeia (uma freguesia do concelho de oeiras) ainda os antigos se sentam ao sol, os vasos de flores brigam por espaço nas ruas e o amolador passa, hesitante e melancólico...

    Lembro-me de noutros tempos de Lisboa, o mesmo acontecer e a minha avó, ao ouvi-lo, dizer que ele estava a chamar a chuva...seria por consertar as varetas partidas dos chapéus? :)


    Era um homem triste e pardacento, cansado pelas pedras das ruas percorridas...

    O som, esse, parecia nascer-lhe dos olhos...


    Beijinhos

    ResponderEliminar
  27. ouço!
    é uma das recordações que me ficou de miúda, em lisboa.

    beijo

    ResponderEliminar
  28. Com testemunhos tão preciosos, sobretudo da Rosa e da Vanda, até fiquei com vergonha do que escrevi...
    Mas agradeço a todos as vossas contribuições e comentários!

    Abraço

    ResponderEliminar
  29. Pessoalmente não conheci nenhum. Mas ouvi falar muito. Em pequenita ia muito com o tio Gervásio passear para a mata de Benfica onde ele se encontrava com o Rodrigo (que foi alferes no ultramar da companhia do papai)e gostava muito de ouvir contar as histórias do papai e outras histórias, memórias de coisas verdadeiras. Ele contava o que se lembrava quando era pequenino, talvez da idade que eu tinha então: era o amola-tesouras, a mulher da fava-rica, a língua da sogra, os azeiteiros saloios, o geladinho fresquinho, os aguadeiros, os leiteiros das vacarias das quintas de Benfica e outras lembranças. E eu ouvia aquilo tudo com a atenção emocionada que os putos de agora dão aos filmes de magia.

    ResponderEliminar
  30. Querida Patanisca
    Os miúdos de agora, salvo raras excepções, têm magia tecnológica.
    Embora muito jovem ainda foste beneficiada por essa magia repassada nas histórias dos avós, tios, pais e até irmãos mais velhos...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  31. Sim. Perto da minha casa, costuma passar um, ao fim-de-semana :)

    ResponderEliminar