domingo, janeiro 28, 2007

Noite

Milhões de barcos perdidos no mar!
Perdidos na noite!
As velas rasgadas de todos os ventos
os lemes sem tino
vogando ao acaso
roçando no fundo
subindo na vaga
tocando nas rochas!
E quantos e quantos naufragando...


Quem vem acender faróis na costa do mar bravo?!
Quem?!

Manuel da Fonseca, in Obra Poética

5 comentários:

Maria P. disse...

Fantástico!

Gostei de ler, faz pensar no nosso mundo, terra ...isto que ainda existe.


Boa semana.

LB disse...

E os faróis orientariam alguém?

Beijinho

Ida disse...

É lindo! E quantos de nós naufragamos, sem fim, sem cessar? E quem vem acender faróis? Acho q alguém como tu, com tantas palavras-faróis a nos tirar da sombra e do navegar solitário. Obrigada!

Rosa dos Ventos disse...

Às vezes bastava um olhar luminoso para o nosso navegar ser menos tormentoso!

Skywatcher disse...

Minha cara Rosa, gostei desse seu rematar de conversa. Brilhante. Simplesmente!