terça-feira, janeiro 09, 2007

A Avó

Tinha ao colo o gato velho
cansadamente passando
a sua branca mão pelo
pêlo dele preto e brando

Sentada ao pé da janela
olhando a rua ou sonhando-a
todo o passado passando
a passos lentos por ela

Dormiam ambos enquanto
a tarde se ia acabando
o gato dormindo por fora
a avó dormindo por dentro


Manuel António Pina, in " Os Livros "

5 comentários:

Maria P. disse...

Lindo...

A Avó...imagem de ternura que sempre fica.

Beijinho:)

Anónimo disse...

Lindo poema.
E tão mal que tratamos os nossos "avós"...
Beijinho

Resmungona disse...

Gostei do poema. :)

Ida disse...

Adoráveis e sensíveis palavras. Tens ótimo gosto para poesia.

Luisa Oliveira disse...

Muito bonito. Todos deviamos deixar-nos dormir, de vez em quando. Todos merecemos descanso inteiror.