quinta-feira, dezembro 03, 2009

Qual Penélope...

Qual Penélope o vento vai tecendo e desmanchando este tapete...

21 comentários:

  1. Oi, passei pra conhecer seu blog, e desejar bom fim de semana
    bjsss

    aguardo sua visita :)

    ResponderEliminar
  2. Perdoe-me, Rosa, pelo abuso. Deixo-lhe o link de um post que fiz o ano passado, sobre um quadro assim parecido: http://de-si-para-si.blogspot.com/2008/11/outono-janela.html.

    Espero que goste.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Mas está bonito, o vento até sabe!:)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  4. Pelo menos até Ulisses chegar… Muito bonito Rosa.

    ResponderEliminar
  5. Cara Si
    Já lá fui o que vi foi um Outono mais vivo e acompanhado por um belo poema cheio de cadência das folhas a voltearem...
    O meu está mesmo de rastos!

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Magnífica analogia, Rosinha.
    O tapete de Penélope e a perseverança do seu carácter e do seu amor por Ulisses, assemelham-se à sequência dos ciclos que vão vestindo e despindo as árvores, da sua folhagem.
    Mas... temos tambem uma figura semelhante na nossa história... aquela mocinha de Arraiolos que se menteve noiva toda a vida, chamou-se Inês e teceu tambem imensos tapetes, ou então...
    Olha lá Rosinha... que te parece?
    Achas que durante as nossas vidas, vamos tecendo diferentes tapetes ou, julgamos que o fazemos, mas na verdade o tapete é sempre o mesmo e o que fazemos é ir tecendo e destecendo, infindávelmente?
    ;))))

    ResponderEliminar
  7. Caro Bartô
    Tenho que me informar sobre a Inês posta em desassossego em Arraiolos...
    Quanto à tua tão pertinente pergunta, parece-me que o tapete é sempre o mesmo só que vamos tecendo e "destecendo" de acordo com "as assoalhadas" que vamos ocupando na vida!

    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Ohhh!!!
    Enganei-me no nome da mocinha.
    Não se chamou Inês, mas sim Beatriz.
    Perdoas-me o engano, adorável tecelã de tapetes?
    ;)))

    ResponderEliminar
  9. Está bonito o tapete.Pena é se passar um varredor ou uma ventania estraga tudo...

    Aproveito e deixo um convite: participe na Blogagem de Dezembro do blogue www.aldeiadaminhavida.blogspot.com
    “O tema é: O Natal na minha Terra”
    Basta enviar um texto máximo 25 linhas e 1 foto para aminhaldeia@sapo.pt até dia 8 de Dezembro. Participe. Haverá boa convivência e uma campanha de solidariedade para ajudar Isabela (veja mais no blog da Aldeia)!

    Jocas gordas
    Lena

    ResponderEliminar
  10. os que lindos que são esses tapetes! Um símbolo de impermanência.
    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Que grande fotografia, Rosa!
    Abracinhos

    ResponderEliminar
  12. PENÉLOPE

    Ela só dá ponto sem nó
    Tece minutos, tece horas
    Tece anos, tece amor
    Amor tecido – ter sido
    Amortecida toda ela
    A morte em vida
    À espera...
    Os deuses fazem e desfazem
    Os heróis luzem grandes feitos
    E das mulheres o que foi feito?
    Um ponto de lágrima
    Um ponto de cruz
    Um ponto de esperança
    Penélope não se cansa
    Gira a roda e se enrosca
    Nas malhas do destino...
    A felicidade por um fio?
    Desmancha de noite
    O trabalho do dia
    Pálida presença na Odisséia...
    Não mereceriam
    As mil provas de agonia
    Em vez de cantos ao recato
    O reverso do verso
    De uma Penelopéia?

    de: Renata Cordeiro

    Um abraço amigo para quem anda tão fugido.

    ResponderEliminar
  13. eu diria, remodelando...

    abraço Rosa

    ResponderEliminar
  14. Caro Alberto
    Brindas-me sempre com belos poemas alusivos aos meus posts...
    Obrigada!

    Abraço

    ResponderEliminar
  15. Tens razão, Luís...
    Tu que és um tecelão e guardador de margens!

    Abraço

    ResponderEliminar
  16. És muito generosa, Justine! :-))

    Abraço

    ResponderEliminar
  17. Belo tapete outonal, donde as cores da natureza se reflectem, nuas... ficam as árvores...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  18. "O vento é bom bailador"

    "O vento é bom bailador,
    baila, baila e assobia,
    baila, baila e rodopia
    e tudo baila em redor!
    E diz às ondas que rolam:
    -Bailai comigo, bailai!
    E as ondas no ar se empolam,
    em seus braços nus o enrolam,
    e batalham,
    e seus cabelos se espalham
    nas mãos do vento, flutuando,
    e o vento as deixa, abalando,
    -e lá vai!..."

    Afonso Lopes Vieira

    Há anos que nao lia este poema que aqui fica, Rosa dos Ventos
    Abraço

    ResponderEliminar
  19. imagino o trabalho que a Rosinha teve para ordenar todas as folhinhas para tirar uma bela fotografia...
    MALVADO VENTO!!!
    :)))

    UM abraço!!!

    ResponderEliminar
  20. Olá Rosa,

    Tenho andado ausente mas não esquecida de ti.

    Só para dizer que a Natureza encarrega-se de nos presentear com obras-primas dignas de figurar nos maiores Museus do Mundo.

    Adoro a imagem nos seus diversos matizes. Quem faria melhor?

    Abraços

    ResponderEliminar