quarta-feira, agosto 15, 2007

Senhora do Almortão (Almurtão)

Estou quase a chegar ao fim.
.
.
.
Ao sair do carro na Senhora do Almortão e antes de subir a larga escadaria que conduz ao adro, ouço no coração a voz saudosa e inconfundível do Zeca:

.
Senhora do Almortão
Ó minha linda raiana,
voltai costas a Castela,
Não queirais ser castelhana.

.
Senhora do Almortão
A vossa capela cheira,
Cheira a cravo, cheira a rosa,
Cheira a flor de laranjeira.

.
Mas, ao olhar para a enorme estrutura coberta por lona azul plastificada a funcionar como prolongamento do alpendre da capela, fico horrorizada. Nem as letras garrafais, a branco," Nossa Senhora do Almortão" me apaziguam.
Fotografar esta fachada é impensável!
Alguns, para não dizer muitos, adros das igrejas e capelas das nossas aldeias primam pelo mau gosto, pelos atentados à simplicidade do património construído, à custa dos dinheiros de todos nós, uma vez que a maior parte dessas obras é subsidiada pelas Câmaras e até pela Comunidade Europeia.
As comissões fabriqueiras e as confrarias actuam como donas e senhoras destes espaços sem qualquer preocupação de enquadramento estético/paisagístico.
Este desabafo decorre não só pela presença desta estrutura que se encontra ali desde o 2º Domingo depois da Páscoa (data da grande romaria deste local), mas também pela informação recolhida junto de alguns residentes da vontade que a confraria tem de construir, em cimento, um novo alpendre para não se perder tempo a colocar e a tirar a estrutura, em princípio, amovível. E também por razões mais próximas...
Esta foi a fotografia possível, tirada de lado!

.
Nota. Os moradores dizem que se deve escrever Almurtão e não Almortão.

15 comentários:

  1. Amiga, grande viagem, linda esta postagem.
    Fotos e textos.
    Adorei!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Beijinhos.

    Fernanda

    ResponderEliminar
  2. E a viagem continua por bons caminhos!

    Um abraço*

    ResponderEliminar
  3. E eu a ouvir o Zeca, aqui....
    Continuação de boa viagem por esse Portugal profundo...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. O sítio (fora a estrutura que felizmente não aparece)parece lindo e a fotografia também. Estou a gostar de passear contigo :)
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  5. Mas a menina não para?
    Amanhã começa a temporada das cantarias estou para ver se vem sem energia...

    ResponderEliminar
  6. Com que então começa a temporada das cantarias?!
    Significa que lá voltamos nós a partir pedra! ;-))
    Até já tenho saudades dos ralhetes da maestrina, mas não lhe digas nada...
    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Aprecio a divulgação destes verssos de letras antigas.
    Quanto à ortografia, são os nativos os que escrevem como deve ser.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  8. Enquanto este vento não desaparece vou viajando contigo...

    Beijitos

    ResponderEliminar
  9. Belíssimos passeios estes!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  10. continua a gostar de "vaijar" contigo

    jocas maradas de paisagens

    ResponderEliminar
  11. Estou de acordo contigo...
    A viajar por esse país fora vemos cada atentado ao património cultural.

    Bom Fim de Semana
    BF

    ResponderEliminar
  12. Almurtão, até é mais uuuuuinduuuu!!


    E essa canção é um espectáculo tb noutras vozes... como o Paulo Bragança.... que será feito dele?


    ***

    ResponderEliminar
  13. Realmente não ouço o Paulo Bragança há muito tempo!
    E é pena...

    ResponderEliminar
  14. Adoro teus comentários! Das fotos, já falei imensas vezes, são impecáveis. Parabéns pelo verão tão bem aproveitado e vai aí uma pontinha de inveja de uma luso-brazuca que conhece quase nada do centro e do Alentejo. Beijos deste inverno carioca... tá calor.

    ResponderEliminar