terça-feira, julho 20, 2010

Portugal profundo II

E o passeio continuou...

Sabem como se chamava este largo há uns tempos atrás?
Precisamente Largo do Castelo, por razões mais que óbvias.
Pois um iluminado autarca por proposta de um padre ainda mais iluminado resolveu mudar-lhe o nome.
Deixámos um protesto devidamente registado no livro de reclamações existente num gabinete à entrada do Castelo
Primeiro que tudo o nome nunca deveria ter sido alterado.
Segundo, o novo nome está cheio de imprecisões e erros porque esta designação não existe .
Não é Santa Maria e muito menos de fátima com letra minúscula..
Tirando isso até que as placas toponímicas têm uma boa apresentação em toda a vila.


Cá está o Castelo, como não podia deixar de ser!


A praia fluvial no Côa, ainda no Sabugal.
Fico sempre roída de inveja quando encontro estes recantos tão frescos e, felizmente, tão bem cuidados.
É que vivo em terra seca!

Ponte romana sobre o rio Cesarão em Vilar Maior


Praia fluvial, também no Côa, em Malhada Sorda

Esta aldeia tem uma belíssima Igreja Matriz mas para se visitar há que pedir ao sacristão para nos abrir a porta e acompanhar-nos.
Pelos vistos muitas destas igrejas têm sido assaltadas e o seguro morreu de velho.

E para não dizerem que só olho para castelos, pelourinhos, pontes, rios e praias termino esta etapa com este gentil espécime do reino animal que nos olhava com um olhar tão terno e ao qual não resisti.

17 comentários:

Lídia Borges disse...

Uma excelente oportunidade de viajar sem sair de casa...

Obrigada!

L.B.

Rui da Bica disse...

Lindo passeio, Rosa ! Belíssima escolha.
Nessa zona, do Distrito da Guarda, encontra-se provàvelmente a maior concentração de “aldeias históricas” de Portugal, para uma visita de 2 a 5 dias, dependendo do grau de pormenor que se pretenda da visita e do que se pretenda visitar junto às aldeias:
Sortelha, Monsanto, Piodão, Idanha-a-Velha, Castelo Novo, para um lado
e Marialva, Almeida, Linhares da Beira, , Castelo Mendo, Castelo Rodrigo, para outro.
Ou seja, uma semana de verdadeiras férias culturais. :))
Bjs
.

AC disse...

É, realmente, um passeio maravilhoso.
Gostaria apenas de fazer uma pequena correcção acerca do que foi dito pelo comentador anterior, Rui da Bica (espero que não me leve a mal).
As aldeias históricas são dez, e repartem-se por três distritos (e não apenas no distrito da Guarda, embora lá fique a maioria).
Se não, vejamos:
Distrito da Guarda: Marialva, Castelo Rodrigo, Castelo Mendo, Almeida, Linhares da Beira e Sortelha.
Distrito de Castelo Branco: Monsanto, Idanha-a-Velha e Castelo Novo.
Distrito de Coimbra: Piódão.
Uma coisa têm em comum: ficam todas na envolvência da Serra da Estrela.

Abraço

Isa GT disse...

Lindo passeio.
Concordo que não se devem mudar os nomes das Ruas sem justificação e quanto ao burrinho quem é que consegue resistir?

Beijinhos

Anónimo disse...

"Fico sempre roída de inveja quando encontro estes recantos tão frescos e, felizmente, tão bem cuidados.
É que vivo em terra seca!"

Em contrapartida, por cá, existem muitos animais desta espécie. (lol)

1 bj. Alex.

Maria disse...

Um dia destes, há um mês e picos, andei dentro do castelo, percorri as ameias lá mesmo em cima, acreditas?
Quem lá viveu era mesmo privilegiado, pois a vista perde-se...
Não fosse a zona tão quente e talvez a elegesse para viver!

Um abraço.

Rui da Bica disse...

Grato pela correcção, AC. Fez muito bem em corrigir. Escrevi de memória pelo que conhecia, sem consultar e saíu esse erro. Na verdade não fica tudo no Distrito da Guarda e fui mal induzido pelas proximidades.
De qualquer modo, essas 10 aldeias históricas (cada uma delas) merecem uma visita.
Obrigado, abraço :))
.

Lilá(s) disse...

Que maravilha de imagens! há imenso tempo que não vejo um burro.
Bjs

Anónimo disse...

Que invejinha! Só que desta forma,até parece que estivemos lá.
Lilá(s),se me permite deveria ter especificado que tipo de burro tem andado fora das suas vistas.Destes que até sabem que são burros,têm duas orelhas peludinhas e bem visíveis,é natural que não,mais do resto o que anda por aí de orelhas moucas e vestidos comme il faut são às carradas e nem se disfarçam muito quando abrem a boca.Kinkas

Alberto David disse...

Rosa, a minha falecida mãe era Serrana, desde miúdo me habituei a correr toda a imensa paisagem que cerca a Serra da Estrela, é do mais bonito que temos.Fazes bem em conhecer esse Portugal esquecido de uma beleza sem igual.Sortelha, foi onde cai, e como consequência, fiquei com uma recordação para o resto dos meus dias, mas Sortelha não teve culpa nenhuma.
Um Abraço e votos para que continues por esses sitios maravilhosos

redonda disse...

Gostei muito das fotografias.
Dão vontade de ir passear :)
um beijinho
Gábi

Vieira Calado disse...

Profundo

antigo

bucólico

saudável!


Beijocas

Rosa dos Ventos disse...

Caros amigos
Não foi a minha 1ª visita a estas localidades embora não tivesse chegado, desta vez, a todas as enumeradas pelo AC e Rui da Fonte.
Houve grandes melhoramentos em todas elas no que diz respeito à reconstrução de casas anteriormente em ruínas e na área da limpeza mas, em contrapartida, acentuou-se o despovoamento e é pena!

Abraço

Rosa dos Ventos disse...

Caro anónimo Alex

Só que os burros de cá não me olham assim, de uma maneira tão terna! :-))

Abraço

mlu disse...

Grande e bom passeio! As imagens falam por si e o burrinho é uma ternura. Não sei porque se inventou a expressão «temos o burro nas couves» quando estamos zangados! O animalzinho não merece e é natural que goste de couves!
Obrigada pelas fotografias.

Abraço.

João Videira Santos disse...

Alteram-se denominações, alteram-se nomes, altera-se a história...uma pena.

Merecendo todos o mesmo respeito, pelo seu teor, permitam que saliente a autora do post, Rui da Bica e AC.

Quanto ao resto, daqui a dias estarei de visita a algumas dessas aldeias, raízes do meu passado familiar

Anónimo disse...

Julgo existir um ditado que diz:

"Quanto mais conheço os homens, mais gosto dos animais"


Um beijinho grande.

Alex.