segunda-feira, julho 26, 2010

Feira de livros no Mercado da Ribeira

A minha amiga Carol cujo blog se chama Picos de Roseira Brava fez um post há já bastante tempo sobre este certame que se realiza neste espaço, em Lisboa, há cerca de dez anos.
Assim, no dia 6 de Julho, meti-me no expresso (esta santa terra tem, pelo menos, boas acessibilidades) e lá fui até à capital onde me esperava uma cunhada/amiga.
Saindo do metro na estação do Cais do Sodré ficámos logo em frente deste mercado cheio de história.
No rés-do-chão só estavam abertas as lojas de flores e alguns cafés mas subindo ao 1º andar deparámos com estes amplos espaços que davam acesso à zona da feira de saldos, propriamente dita.

Como podem ver é um pavilhão enorme cheio de livros baratíssimos, muitos já manuseados mas na sua maioria novos e a preços apetecíveis.
Além de livros ainda pudemos encontrar discos de vinil, CDs, artesanato, vinhos, etc.
Acontece que naquela tarde éramos as únicas clientes e informações recentes que tenho dizem-me que a feira este ano se está a ressentir com a crise.
Entre outros, comprei um livro de poesia de José Saramago intitulado "Provavelmente Alegria"de onde retirei o poema que se segue:


Provavelmente

Provavelmente, o campo demarcado
Não basta ao coração nem o exalta;
Provavelmente, o traço da fronteira
Contra nós, amputados, o riscámos.
Que rosto se promete e se desenha?
Que viagem prometida nos espera?
São asas (que só duas fazem voo),
Ou solitário arder de labareda?


Nota:
A feira só encerra a 8 de Agosto por isso ainda dá tempo de lá ir dar uma espreitadela...

20 comentários:

Justine disse...

Ainda o ano passado lá andei a bisbilhotar!E dantes costumava também ir ao mercado das flores, uma vez por semana ao fim da tarde.
É um edifício magnífico, e a tua escolha foi excelente, embora Saramago dissesse que era um péssimo poeta!

Isa GT disse...

Estiveste cá pertinho de "moi" e, precisamente, a 6 de Julho, no dia dos meus anos ;)

Bjos

Maria disse...

Já por lá me passeei...

Um abraço.

carol disse...

Fizeste tu muito bem em ir! Se está aberta até 6 de Agosto, se calhar ainda vou até lá espreitar. Sempre é mais um motivo para ir até à capital...
Beijo.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Este ano, por acaso, ainda lá não fui, mas sou habitué.

Há.dias.assim disse...

Obrigada!
Lá irei.

Lilá(s) disse...

Também passei por la e aos domingos os idosos fazem um grande baile.
Bjs

mlu disse...

Este poema fez-me lembrar um propósito que ainda não concretizei: comprar poesia de Saramago. Não conheço o seu "lado" de poeta mas quero lê-lo.
Obrigada pelas notícias desta feira.

Abraço.

tsiwari disse...

E com banda sonora:
"No mercado da Ribeira / Há um romance de amor
Entre a Rita que é peixeira / E o Chico que é pescador"

:)*

map disse...

Esta é outra face da cultura em que te embrenhas, mas não deixa de ser, também, o Portugal profundo...
É um bom pretexto para rumar a Lisboa.
Obrigada

Duarte disse...

A isto é ao que se deve chamar aproveitar bem o tempo.
Saramago escreveu pouca poesia, encontrar um libro assim é mesmo uma sorte.
Até agora só conhecia "Circo" que tão bem canta o Fernando Tordo, na sua homenagem aos prémios Nobel.
Abraços

trepadeira disse...

Se tiver ocasião,por lá passarei.
Lembrei hoje as suas excelentes fotografias,também,de Sortelha.
É com profunda revolta,soube hoje pelo telefonema de uma amiga,estão a colocar aquelas coisas horrendas,a que chamam torres eólicas,à volta de Sortelha.
Já não é mais possível fotografar a torre sem estar ladeada pelos monstros.
Um amigo,lutava contra esta barbaridade,foi agredido e obrigado a sair do Sabugal,abandonando a sua fonte de subsistência.
Já tudo se vende por meia merenda.
Sabendo da oposição,estão a colocá-las a toda a pressa.
Não posso arrancá-las de lá mas,posso gritar de raiva.
mário

Rosa dos Ventos disse...

Cara Lilá(s)
Segundo informação de uma das floristas, os tais bailes não são apenas ao domingo!
Realizam-se num salão do 1º andar e devem ser um óptimo lenitivo para quem gosta de dançar e não tem meios e ou parceiro/a para dar o gosto ao pé noutro local.
Também servem para combater a solidão de uma população bastante envelhecida e moradora por aquelas bandas!

Abraço

Rosa dos Ventos disse...

Amiga Justine
Conhecia apenas poemas dispersos de José Saramago mas estou a gostar deste conjunto coligido neste livro!

Abraço

Rosa dos Ventos disse...

Caro Mário
Em primeiro lugar agradeço a visita.
Tem razão em relação às eólicas, elas lá estão a "ferir" a paisagem...

Abraço

Rosa dos Ventos disse...

Caro Tsiwari
É impensável falar do Mercado da Ribeira sem nos vir à lembrança o romance "entre a Rita que é peixeira e o Chico que é pescador" ! :-))
Uma amiga já me deu as instruções sobre como colocar música mas como tenho muuuuuiiiitoooo que fazer ainda não me pus a isso.;-))))
Entretanto vou-me deliciando com o teu gosto musical!

Abraço

trepadeira disse...

As visitas à rosa dos ventos são um prazer.
Os tais monstros,não são os que viu,estão a colocá-los agora,à volta de Sortelha como que a sitiá-la.
Uma monstruosidade.
Cordial abraço,
mário

rouxinol de Bernardim disse...

Boa sugestão minha cara amiga.
Se puder não perderei... vou ver se dou um jeitinho...
Grato pelo alvitre.

AC disse...

Já não vou há alguns anos ao Mercado (tchi, pensando bem já são mesmo muitos) e ainda bem que está com ar arejado.

Bjs

R. disse...

Que maravilha... E Lisboa tão fora de mão por estes dias :( Bom proveito!