sexta-feira, janeiro 11, 2013

Enigma literário e não só...

Re-Editado

Agradeço a todos os que "embarcaram" na brincadeira do enigma que era bem fácil com as técnicas conhecidas pelos especialistas encabeçados pelo Rui da Bica!
O livro em questão chama-se " A Boneca de Kokoschka" de Afonso Cruz e é o primeiro que estou a ler deste jovem escritor português bastante multifacetado.
Embora longe do fim estou a achá-lo muito interessante.
Aliás ando numa onda de jovens autores portugueses.
Parabéns a todos os que acertaram e agradeço a todos os que opinaram sobre o sentimento da paciência que se encontra em franca decadência!
É a primeira vez que faço uma re-edição e iniciei-a sem verificar o nome dos que deram dicas certas, daí não os referir!


(foto da net)

Estou a ler um livro onde encontrei esta fala de uma das personagens:

" - Vê-se logo que não percebe nada de destinos e coisas dessas. Já reparou que quando chama um gato  ( lembra-se do Luftwaffe, Sr. Vogel?), raramente ele corre para si em linha recta, mas faz uma parábola, uma curva? Os gatos sabem muito bem como atingir aquilo que desejam, são predadores exactos, eficazes, e fazem-no em arco, descrevem curvas no seu andar. É assim o nosso destino, fazemos curvas e parábolas para que ele se cumpra com perfeição. O redondo é a distância mais curta entre dois pontos. É preciso paciência ( que é o nosso sentimento mais esférico )."

Claro que não é apenas para descobrirem que livro estou a ler e quem é o seu autor porque isso é uma tarefa bem fácil para os e as amantes de enigmas que por aqui andam mas também porque achei bastante interessante esta frase. Além de falar de gatos  também se refere à paciência que é um sentimento que está praticamente esgotado em Portugal, por razões óbvias!
Será que vale a pena esperarmos com paciência para termos resultados mais consistentes ou não é possível esperar mais tempo?

36 comentários:

Rui da Bica disse...

Nunca li nada da pessoa que escreveu isso, que, segundo dizem, tem ideias deliciosas, mas o meu filho , Óscar Afonso, adora pintar e ler, leu e gostou muito.

Já agora, não posso deixar de te contar uma sua particularidade meia louca ! :))
Esse meu filho apaixonou-se por uma mocinha de quem mais tarde se veio a separar. Vê lá que mandou fazer uma boneca em tamanho natural , com muitos pormenores daquela moça, para a “ter” sempre por perto ! Levava-a para todo o lado, até ao cinema !!!
… até que um dia a desfez com uma garrafa de vinho na cabeça ! :))

Portanto, eu não li, mas ele leu. Fiquei curioso até por que conta episódios da Guerra !

Quanto à questão que levantas, nunca me tinha apercebido que o gato caminha em curva ! Também não percebo nem acredito no destino , mas acredito nos destinos quanto a finalidades a atingir !
Agora o “Homem”, sim. Quantas vezes dá uma “grande curva” para chegar onde quer, … ai lá nisso, já acredito ! Por vezes não se pode ser tão directo como se pretenderia !

…eheh … por ex. como te poderia eu pedir para ires aí “a um sítio” (bom ! Note-se !) sem ter que to pedir explicitamente ?

Abraço, Rosa ! :)
.

Jorge disse...

O destino, por vezes, acaba por trocar-nos as voltas e então deparamos com um destino que se sobrepõe a todos os outros. Então não há paciência que nos valha.
Um abraço,
J

Luis Eme disse...

a história das curvas é curiosa, Rosa.

o giro é que quando se escapam, fazem-no pelo caminho mais rápido, esquecem-se das curvas. :)

até nisso são espertalhaços.

abraço

Rogério Pereira disse...

O tempo não conta, o que conta é o que se faz (ou deixa de fazer) dentro dele...

Se o gato fosse impaciente,
O rato ficaria contente...

redonda disse...

Gostei do extracto e não faço a menor ideia de qual seja o livro :( mas gosto de desafios e vou tentar descobrir :)
Por isso vou reler, por tentar forçar algumas das minhas irmãs a colaborar e volto em breve :)
um beijinho
Gábi

redonda disse...

Uma das minhas irmãs disse que estava bem escrito e que gostou, mas não faz ideia
A outra minha irmã disse que poderá ser de um peça de teatro de um autor alemão ou russo...
Vou continuar a investigar...

redonda disse...

Já sei! Com uma preciosa ajuda do Google. Não tenho o livro, mas vou tentar encontrá-lo para os meus anos.
um beijinho
Gábi

Isa GT disse...

Pois até o Rui deu muitas dicas... vou pôr tudo em iniciais, primeiro o Autor e depois o Título ;)
A.C. - A B... de K... ;)

Bjos

Rui Pascoal disse...

"Vogel" é uma ave em alemão
Rara ou não, depende do gatão
:)

quem és, que fazes aqui? disse...


Como se eu escrevesse, lá se ia o enigma, não o faço.

Já há tantas pistas que até o passitos conseguiria acertar (só depois do fmi lho segredar).

Beijo

Laura

São disse...

Gostei do excerto.

Quanto à paciência, a minha está em acelerado processo de extinção...

Bom serão.

Rui da Bica disse...

Exactamente Isa ! rsrs
... A Rosa quer que vamos mais além ! :)) Sinopse e as manias do gato ! :)))
Por onde andará a Rosa ? :)) Anda toda a gente a procurá-la ! :)))
.

Rui Pascoal disse...

(Vim trazer um recado)
Ó Sra. Dona Rosa, o Rui da Bica anda à sua procura. Quando puder passe por lá.
:)

Graça Sampaio disse...

Leo! O Rui da Bica (e todos nós) anda à tua procura!!!!!....

Gosto muito da frase - até porque usa uma metáfora com o gato! Agora ir à procura de quem a escreveu da muito trabalho... Depois venho cá ver as soluções... Sou uma preguiçosa nata...

Beijinhos

Teté disse...

Nunca li nada do autor, mas ando muito curiosa em ler o seu último livro, que já me disseram ser genial. Pelo menos o título é bem engraçado... :)

Quanto o resto, o tempo é relativo. Mas óbvio que a paciência tem limites, não será possível aguentar esta situação (com tendência para piorar) por mais dois anos e meio...

Abraço e bom fim de semana! Com continuação de boas leituras, também! :D

Flor de Jasmim disse...

Como venho só à noite já as respostas estão dadas, nunca li nada dele, mas a minha filha anda a ler um penso ser o último!
bom fim de semana Rosa

beijinho e uma flor

O Puma disse...

Foram ultrapassados todos os limites

só o desgoverno ainda não entendeu

perguntem ao gato

maria mar disse...

"Sr. Vogel, se não estiver contente com o rumo das coisas-disse Isaac-, só tem de fazer uma coisa muito simples:juntar os dois pés, concentrar-se e dar um pequeno pulo na vertical. Quando os seus pés tocarem o chão outra vez, a realidade do chão, quando deixarem esse momento celeste que é o salto, quando tocarem o chão, dizia eu, provocará um pequeno tremor que abalará a direcção do universo. Se ia em determinado sentido, sentido que, por certo, não lhe agrada, basta pular para ver mudar o rumo."
Será isto o que faz uma "boneca"? É que a paciência para aceitar o futuro como mo querem impingir já esgotou há muito!...
Beijinho com uma Koisa doce

luisa disse...

Com as dicas e o google... até eu que nunca desvendo estes enigmas já percebi de quem se trata. Não o li.

Quanto à paciência... ora se vai esgotando, ora regenerando :)

Duarte disse...

... excepto no ataque final, que é em linha recta e com grande precisão.
Sim, é o que nos está a acontecer, aqui e aí. Vão dando voltas até que fiquemos depenados, então já não há solução! Temos que agir antes...
Aquele abraço

Justine disse...

Não podemos esperar sentados, Rosa! É preciso agir, para a que espera seja frutuosa!!!

Lídia Borges disse...


Andar em arco?!... Interessante!

Quanto à paciência ela está já elevada à máxima potência.

Beijinho

Lilá(s) disse...

Claro foi fácil, o google não falha...quanto ao resto esperar, só se for para ver qual a desagradável surpresa no meu vencimento no fim deste mês...
Bjs

Mariinha disse...

Esperar com paciência? Já esgotei a minha dose.

Boa semana para ti. Bj




Catarina disse...

Tive que consultar a google. Não conheço o autor. Paciência costumava ser uma virtude... já não sei se é.

as-nunes disse...

Já tinha olhado para a capa dum livro, A Boneca de Kokoschka, mas não tinha feito nenhuma ligação que pudesse ter interesse.

Pelos vistos estava redondamente enganado. Já reparei que a sua leitura é muito recomendável.

Nos tempos que correm ainda mais, pode ser que se aprenda algo de útil à humanidade...

Um abraço

as-nunes disse...

Ai que já meti o pé na argola.

Os caçadores de mistérios não hão-de achar graça nenhuma ao meu comentário anterior. Ainda pensei em apagá-lo, mas, às tantas, ainda era apontado na mesma, como aconteceu com o o snr PC/fcp, que anda a fazer barulho porque os tipos/controladores do site da Federação Portuguesa de Futebol (ou Liga ou lá o que é)deixaram ficar no ar durante 30 segundos a informação de que o Benfica tinha ganho ao Porto 3-2 (o resultado foi 2-2).

Um abraço mais

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Gostei bastante do extracto que a Rosa escolheu mas, sinceramente, não sei de que livro se trata. Vou ler os restantes comentários, para ver se encontro uma dica.

JOÃO SENA disse...

«Quem escreve, lê-se a si próprio.»
Max Frisch (1911-1981)
Deixo o abraço de sempre.

Rosa dos Ventos disse...

Já era tempo de desvendar o mistério por isso até agradeço As-Nunes! :-))

Abraço

Jardineiro do Rei disse...

Boa Noite Rosa...
Nunca li nada deste autor, mas fiquei com a "pulga na orelha". Amanhã vou pesquisar na Bertrand...
Tenho um gato, o Oskar, juro que nunda dei por ele andar ou correr às cruvas. Sei que se bamboleia e se enrosca nas minhas pernas, mas isso é por puro interesse, quando quer a sua latinha de "Friskies"...
Paciencia, minha Amiga... paciência de santo é aquilo que todos nós mais precisamos neste momento...

Um abraço

João

redonda disse...

Gostei deste desafio e fiquei com mais um livro para a minha wish list :) Vou ficar à espera do próximo desafio :)
um beijinho
Gábi

mlu disse...

Há dias que o computador está fechado. Só hoje vi o enigma e gostei! Nunca li nada deste autor mas este "ensaio" sobre a paciência, quase só uma frase, é muito bom!

Boa semana e um abraço.

Nina disse...

Fiquei-me nas janeiras. Não vi este post.:(

Venha o próximo!

Aquele abraço!

marina disse...

Nunca li nada dele, mas tambem vou procurar!!!

Tenho um desfio para ti no meu blog!!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Nunca tinha ouvido falar do livro nem do autor, mas já tomei nota...