terça-feira, janeiro 04, 2011

O Fio das Missangas











A missanga, todos a vêem.
Ninguém nota o fio que,
em colar vistoso, vai compondo as missangas.
Também assim é a voz do Poeta:
um fio de silêncio costurando o tempo.




Mia Couto in "O Fio das Missangas"




Mesmo sem sermos poetas, todos vamos costurando o nosso tempo...
Às vezes, vamos mesmo remendando!

24 comentários:

Alberto David disse...

SINOPSE

Uma vez mais Mia Couto regressa ao conto, género literário que parece ser o da sua maior realização. Estórias breves mas contendo, cada uma delas, as infinitas vidas que se condensam em cada ser humano. Uma vez mais, a linguagem é trabalhada como se fosse delicada filigrana, confirmando o que o autor disse de si mesmo: «conto estórias por via da poesia».
São vinte e nove contos unidos como missangas em redor de um fio, que é a escrita encantada de um consagrado fabricador de ilusões.

Neste livro temos Mia Couto na minha opinião a voltar aos contos, parabéns pela escolha. Para quando um incentivo no meu www.borradas.blogspot.com , se me é permitido um beijinho amigo com votos de um feliz 2011

AC disse...

É isso, Rosa, às vezes vamos mesmo remendando...

Beijo :)

Luis Eme disse...

sim. é muito isso.

abraço Rosa

Lídia Borges disse...

Mia Couto e a relação admirável que tem com as palavras.
De facto, o poema fica escondido atrás do que escreve, mas para escrever tem mesmo de "costurar o tempo" nos silêncios da reflexão.

Um beijo

Lilá(s) disse...

E até para remendar é preciso jeito...
Beijinhos

Catarina disse...

Como eu gosto de ler Mia Couto desde que o “descobri” no blogue do Luís, Largo da Memória.
Ele tem um estilo tão característico, um estilo a que eu não estava habituada e que me encanta.
Bonito fio de missangas, amiga Rosa dos Ventos. Abraço.

redonda disse...

Gostei (do poema e do post :)

um beijinho

Gábi

fj disse...

Olha eu vou mais remendando, porque de costura pouco entendo.
um abraço.
Feliz ano Novo!

carol disse...

Muito bonito! Simples mas cheio de significado! À Mia Couto mesmo!

mlu disse...

Se os remendos forem bem feitinhos...ainda vá que não vá. O Tempo é uma "coisa" muito complicada!

Um abraço

Isa GT disse...

Farto-me de remendar... o tempo... a vida.


Bjos

JPD disse...

Prezo muito Mia Couto.
Gosto da sugestão e leveza do texto de Mia.
Gosto de trabalhos de missangas.

O colar que exibes é lindo.
Bjs.

Rui da Bica disse...

Fizeste-me envergonhar. :(
Nunca li nada do Mia Couto ! :((
.

maria mar disse...

O tempo bem costuradinho dá para organizarmos melhor as nossas ideias, as nossas vidas e também reformular o que for preciso. Um bom ano para ti amiga.
Beijinho

Lari Medeiros disse...

Poucas palavras para muito significado.
Parabéns

rouxinol de Bernardim disse...

«um fio de silencio costurando o tempo...» bela definição da poesia...

Tite disse...

É uma grande verdade, mas na nossa vida não precisamos mostrar todos os fios, basta pressentir que estão lá... a segurar-nos.

Beijarocas

Rosa dos Ventos disse...

Caro Rui
Eu já li muitos dos livros de Mia Couto mas por acaso não tinha este que me foi dado no Natal.
Aconselho-te a experimentar este escritor porque vale a pena!

Abraço

Justine disse...

Os fios invisíveis são sempre os mais importantes: os da amizade, do amor, dos fectos em geral! Com esses costuramos a nossa vida!
Um beijo amigo

Rosa dos Ventos disse...

Invisíveis, estranhos e inexplicáveis, por vezes, os fios que nos entrelaçam a uns e a outros não!...

Abraço, Justine

Rui da Bica disse...

OK. Vou seguir o conselho. Na próxima compra será esse !
Obrigado !
.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Com os dias que corrrem, é mesmo de remendar a vida que se trata.
Bom fds

Duarte disse...

Quanta sensibilidade!...
Gostei.
Abraços

Sonhadora disse...

Gostei. Um bom incentivo para ler Mia Couto que, confesso, nunca li.

Abraço.