segunda-feira, setembro 17, 2007

La mer, pour terminer...

Estamos no Cap Gris Nez. Do lado de lá fica a Inglaterra, a cerca de 30 kms.
Contam os nossos amigos franceses que os ingleses compram quintas do lado de cá, instalam-se e recusam falar outra língua que não o inglês. Também lhes dissemos que se passa o mesmo no Algarve...
Em Pas de Calais ou noutro lado qualquer o mar é o mar, embora o nosso tenha uma tonalidadezinha ligeiramente diferente, mais pas beaucoup. ( Não quero magoar os meus novos amigos ).
Nesta arribas existem muitos vestígios de "ninhos" de metralhadoras alemãs.
O inimigo invasor pensava que o desembarque se daria por aqui, devido à proximidade da costa inglesa.
Tanta coisa para contar das que ouvi contar à Fernande e ao André. Ambos tiveram os pais prisioneiros dos alemães e sofreram os bombardeamentos de um e de outro lado. Não havia bombardeamentos cirúrgicos.
Dizem que agora os há mas eu não acredito!

12 comentários:

pin gente disse...

dizem tanta coisa... vamos lá nós acreditar em tudo, ou mesmo em parte!
gostei das fotos, apesar das cercas.
beijo

LB disse...

E que bela maneira de terminar!

Beijinho

Luis Eme disse...

Os franceses sempre andaram às turras com os ingleses...

Os gajos da Grâ-Bretanha pensam que são mesmo uns sujeitos importantes! Nós é que somos demasiado servis, e falamos inglês com eles. Não acredito que em França seja bem assim...

Continua a dar-nos cultura...

Victor Nogueira disse...

Olá
Passei apenas para dizer olá e fiquei para ver o mar. Que saudades tenho do mar, do cheiro a sol, a sal,à maresia, à água a bater no rosto, à brisa ...
Bjo
VM

Belisa disse...

olá

Ao ver o mar de cá para lá
Fico hipnotizada a olhar
E venho pedir à Rosa, que vá
"Ao Sabor do Olhar",para rimar

Beijos estrelados

Ida disse...

Mar sem a-r-e-i-a! Hélàs!Ah, Senhora dos ventos, foi a primeira coisa que notei; pra mim, mar, sempre tem areia, defeito de lugar de nascimento. Mas olha, qto à cor, acho que a única que é inigualável é a do Caribe, ficava parva, dizendo "parece poster de agência de viagens, não acredito!" Depois, cheguei aqui, ainda sem maravilha oficial além das incontáveis que nós sabemos bem, e qd olhei o mar de Copacabana, quase caí dura... e disse "Meu Deus, a isso chamamos mar azul?"... foi uma sensação inesquecível e inesperada, de estranhamento e desencanto. Mas passou! :)
Excelente idéia reportar tua viagem ao norte do Hexagone!
Abraço com areia nas sandálias.

Jaime disse...

Muito interessante. Conheço estes sítios. Do outro lado, junto a Dover, os ingleses também esperavam os alemães. Podem-se visitar ainda hoje as fortalezas e abrigos escavadas na rocha.

Rosa dos Ventos disse...

Cara Pin Gente
Aqui as cercas serviam de protecção para os mais afoitos! ;-))

Caro Luís Eme
Somos mesmo dotados para as línguas ou não fôssemos nós construtores de outros e desvairados povos e países!
Às vezes também penso que é servilismo... mas enfim sejamos optimistas e fraternos!

Cara Belisa
Já lá fui e também te visitei a ti!
Vou ver se consigo arranjar mais alguma1 ;-))

Cara Ida
De facto, mar sem areia não é bem mar...

pm disse...

Foi por estas bandas, onde as marés vazias fazem recuar o mar até ao "infinito", que andou o Asterix e o Obelix.

Rosa dos Ventos disse...

Olá, PM

Isso foi mais para o lado da Bretanha!
Mas o que eles eram de atrevidos talvez desse para uma escapadela até aqui! ;-))

zambujal disse...

Excelente reportagem (ou crónica?).
Obrigado.

Victor Nogueira disse...

Deixei-lhe um olá, mas ela nem reparou. Sou, definiticamente, o «homem invisível» Paciência: muitos são os camimhos e poucos os eleitos. ciaoo, Rosa´
VM