sexta-feira, fevereiro 22, 2013

Livros e semelhanças...

"O médico fez-me um sorriso de comiseração. Vejo que o senhor é um filósofo, disse-me. Foi a primeira vez que pensei na minha idade em termos de velhice, mas não tardei a esquecer. Habituei-me a acordar cada dia com uma dor diferente que ia mudando de lugar e forma à medida que os anos passavam. Às vezes parecia-me ser um golpe da garra da morte e no dia seguinte esfumava-se. Por essa época ouvi dizer que o primeiro sintoma da velhice é que começamos a parecer-nos com o nosso pai."

In "Memória das Minhas Putas Tristes", de Gabriel Garcia Marquez

Já li este livro há uns anos mas como vai ser, em princípio, discutido na próxima sessão do clube do livro que frequento, estou a relê-lo.
Fixei-me neste extracto por duas razões relacionadas com o meu lado materno:
Estou cada vez mais parecida com a minha mãe que partiu a 22 de fevereiro, há 9 anos...
O meu avô materno costumava dizer que as dores mudavam de andar mas não de edifício!
Ontem tive uma dor violenta que me subiu do peito até à garganta mas do lado direito, se fosse do lado esquerdo poderia ser um enfarte!
Hoje mudou de sítio...
Não sou hipocondríaca...foi apenas uma forma de dizer que tenho muito do meu lado materno!


23 comentários:

Mariposa Colorida disse...

Adoro Garcia Marquez, mas este ainda não li! Gostei do trecho!

Nina disse...

Não conhecia a expressão. Sábia.:)

Quanto ao "Memória...", lê-se tão bem que tive pena por ser tão curto!:)

Aquele abraço e que fujam, as malvadas!;)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Também li o livro há alguns anos, mas essa foi uma das passagens que fixei. Talvez porque também me sinta cada vez mais, parecido com o meu pai, falecido há mais de 30 anos.
Bom fds, sem macaquinhos no sótão:-)

quem és, que fazes aqui? disse...



Pois... todos lá chegamos e os que ainda não... também chegarão.

"Vós lá ides!", sentenciava um velhote que conheci.

Beijinho

Laura

marina disse...

Agora deixas-te triste, a tua mãe faleceu no dia em que a minha fez 60 anos, uma vez que hoje faz 69.As minhas dores, e só tenho 44, são as dores da minha mãe...ossos e artroses
é connosco.

Rui da Bica disse...

Um dia que envolve sempre saudade, nostalgia e tristeza, mas, felizmente, também nos traz à lembrança algumas boas recordações do passado ! :((

Quando chegamos a esta "idade do Condor", infelizmente também nos vão chegando, com mais probabilidade, os "22 de feveriro".
O deste ano também me "brindou". :( Foi-se uma minha cunhada ! :((
.

Graça Sampaio disse...

A partida das nossas mães cava fundo em nós. Calma!

Beijinho.

Nina disse...

Só agora, ao reler, percebi que tinhas escrito que a tua mãe partiu há 9 anos.
A minha avó dizia uma coisa gira "Uma mãe faz sempre falta, mesmo que seja velhinha!":))

P.S: Deus me livre que herde o caráter da minha e a mania das doenças!:)

Aquele abraço

Rosa dos Ventos disse...

Fiz uma certa mistura para que a referência ao aniversário da partida da minha mãe não fosse demasiado triste!
Afinal é a ordem natural da vida as mães partirem primeiro que as filhas e filhos...
Só fico chocada quando partem muito cedo e deixam crianças muito pequenas! :-((
Mas a nossa mãe faz-nos sempre falta!

Flor de Jasmim disse...

As recodações e a saudade é sempre dolorosa,a minha abandonou-me aos 8 aninhos nunca fui tive um carinho dela estes anos todos, hoje ela tem 86 anos, em Setembro passado sofreu um AVC, está completamente lúcida, está num lar a 1 km de mim onde vou a pé visitá-la quase todos os dias, mas penso que ainda não aprendeu a amar-me como eu aprendi!
Quanto ao "Memórias" eu já o li, mas à bastante tempo foi-me emprestado por uma cunhada minha.
As dores, bom sofro imenso de algumas, mas as fisicas são as artroses e coluna, não é herança da minha mãe não.
Bom fim de semana Rosa

beijinho e uma flor

mlu disse...

Um pensamento giríssimo, o do avô! Nunca tinha ouvido que as dores «mudam de andar mas não de edifício»! É completamente verdade!
Eu herdei reumático do pai, chega e sobeja para ter dores, especialmente no Verão, por estranho que pareça.

Bom fim de semana.
Um abraço.

vieira calado disse...


Olá, como tem passado?
Esse, por acaso, não li.

Saudações poéticas!


Teté disse...

Comecei a ler este livro, mas não sei porquê (não foi por não gostar) nunca o acabei. Se calhar está na hora de também o ler, finalmente! :)

Quanto ao resto, é provável que seja verdade e ao envelhecermos ficarmos mais parecidas com as nossas mães... ou pais! ;)

Abraço e as melhoras dessas dores que "mudam de andar"!

Mariinha disse...

Também noto que ficamos mais parecidas, mas por causa do que sentiste, não será melhor ir ao médico?

Bj e bom fim de semana

maria mar disse...

É a vida. Todos recebemos heranças destas, mas não conhecia essa máxima (giríssima!) do teu avô, estamos sempre a aprender.
Beijinho

Rosa dos Ventos disse...

Herdei do lado materno as dores nos ossos e do paterno os problemas de coração!
Mas também herdei coisas muito boas dos dois lados! :-))
Agradeço o cuidado, Mariinha mas o coração anda bem vigiado e a dor já é minha conhecida, chama-se tristeza e angústia que me atacam de vez em quando!

Turista disse...

Querida Rosinha, é pois uma dor de alma e não uma dor física, verdade?
Ânimo que eu sei que os teus últimos tempos, não têm sido fáceis!
E consegues ter mais emails para ler do que eu, hem?! E se contratássemos umas secretárias? ;)
Beijinhos grandes e bom fim de semana.

redonda disse...

Ainda não li este livro do Gabriel Garcia Marques, mas tenho-o na minha lista. Ia escrever também se não seria melhor ir ao médico por causa dessa dor, mas dpeois li a resposta a comentário anterior.
um beijinho grande
Gábi

São disse...

Esse não li...

Minha amiga, espero que a dor tenha ido passear e se esqueça do caminho de volta.

Excelente domingo.

Rosa dos Ventos disse...

Caríssima São
Essa já passou, outras virão!
Como o meu avô dizia, sem nunca ter lido gabriel Garcia Marquez As dores mudam de andar mas não mudam de edifício"!
O meu lado materno é dado a ditos e ditotes! :-))

Abraço

Catarina disse...


Dores, melancolias fazem parte da vida. Umas mais fortes que outras...

Duarte disse...

Li pouco dele, já tive bastante com "Cien años de soledad"!
Mas gosto daquilo que expões.
Abrazos

Maria Alice Cerqueira disse...

Olá amiga você que está sempre presente em meu cantinho, eu venho lhe agradecer de todo o coração, o carinho de sua presença. Que Deus a abençoe e guarde, hoje e sempre. Assim que poder voltarei. Tenha uma linda semana coberta de muita paz e amor! Com carinho Maria Alice. Obrigadoooooooooooo!!!!!