terça-feira, agosto 17, 2010

Gerês e Soajo

Paisagens do Gerês há pouco tempo atrás...



Não era fumo, era uma ligeira neblina ...



Campos verdejantes no Soajo...


Espigueiros em contra-luz...


Garranos à beira da estrada...


Como estarão estes locais agora?
Que medidas se irão tomar para esta calamidade não voltar a repetir-se aqui e por todo o País?

25 comentários:

JPD disse...

Olá

Dou comigo, imensas vezes, a pensar que afinal o nosso património natural será um dos mais vulneráveis do mundo.

Anos a fio sujeito a incêndios inclementes e ameaçado de cada vez menos ser capaz de se regenaerar.

Estive no Gerês há 4 ou 5 anos e lamento que esteja tão ameaçado por fogos como este ano se repetiram.

Bjs

map disse...

Realmente vê-se desaparecer o nosso património vegetal com séculos, os bombeiros dão a vida, literalmente, para tentar salvar bens e vidas dos outros e isto repete-se anualmente, com ligeiras variantes. É certo que este ano foi particularmente quente, mas que há aqui muitas mãos criminosas, isso há. Julgo que a limpeza das matas não resolvia o problema, mas minorava-o. Antigamente, no meu concelho de origem, tão fustigado pelos incêndios também, os proprietários limpavam os pinhais, aproveitando o material que retiravam para os currais dos animais, mas agora ninguém aceita as condições em que tal teria de ser feito. Talvez as forças armadas pudessem, antes da época dos incêndios, fazer esse trabalho de limpeza (têm veículos apropriados para certos terrenos praticamente inacessíveis por vias normais). Sei lá! Alguma coisa tem de ser feita.

L.O.L. disse...

Só sei de uma coisa. É triste dizer isto mas o nosso pobre Portugal está cada vez mais devastado e em direcção à desertificação.

Maria Paz disse...

Penso que será impossível acabar com os fogos. Importa por isso torná-los menos extensos e mais controláveis. Sendo assim, deixemos de procurar os culpados, que sempre houve e sempre haverá e que convém castigar, pois urge tomar medidas de contenção dos mesmos. Os ministros da agricultura, florestas e administração, em conjunto, e depois de se aconselharem com o povo que conhece e trabalha os campos e as florestas (madeireiros, agricultores, bombeiros e outros conhecedores destes espaços), deveria então pensar em medidas realmente eficazes para minorar o problema.
Na minha modesta análise da questão, apercebo-me que os fogos presentemente correm em direcção inversa ao que anteriormente se verificava, pondo em risco aldeias e casas habitadas, concluindo que se iniciam na floresta e daí se propagam para os campos e aldeias. Como em todos os assuntos deste país gostava muito que não fossem tomadas medidas ao acaso, muitas vezes sem qualquer efeito benéfico, antes pelo contrário.

AC disse...

O que está a acontecer é uma verdadeira catástrofe. E o pior é que todos sentimos que NADA é feito para prevenir futuras situações.
É frustrante!

Beijo :)

carol disse...

Lindas as fotografias e os lugares ainda mais! Os garranos estão um mimo!
Para mim, o que grita mais alto neste assunto dos incêndios é mesmo a impunidade: apanham-se os pirómanos e que se lhes faz? Mandam-se para casa para voltarem a fazer o mesmo. Pode ser que um dia um deles pague fogo à casa de um juíz e, talvez assim... ...

tsiwari disse...

Conheço (relativamente) bem esse parque... fiz férias por lá, instalado num bungalow, in illo tempore...

Gostei das fotos.

Quanto aos incêndios, ardendo a floresta vamos ardendo também nós.

:)*

Maria disse...

Fácil, Rosa. Simplesmente não se tomam medidas... nunca se tomam medidas...

Um abraço.

Tite disse...

Eu que até ando farta de chuva, dei comigo a desejá-la só para acabar com o flagelo dos fogos postos ou espontâneos, coisa em que não acredito.

Se os Políticos quisessem mesmo resolver não precisavam inventar nada. Bastava só copiar o que anda a ser feito na Serra da Lousã.

Beijossssss

goiaba disse...

Que bom seria que os lugares das fotos continuassem assim!
Não sei como é que nos podemos tornar gente civilizada. E não só nós. É a Humanidade que não "cresceu".
Abraço

Vieira Calado disse...

Mãos criminosas

sabe-se lá movidas

por quantos interesses mesquinhos

todos os anos aí andam impunemente!


Beijoca

Rui da Bica disse...

HORRIVEL, Rosa. Lá se foi, por vários anos, um dos meus locais de eleição para as minhas escapadelas.
Que belo que tudo aquilo era ! ...
.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

receio que não se tomem nenhumas, antes de tudo arder e os intereses económicos que estão por detrás destes incêndios sejam satisfeitos. Vem aí mais um PIN, como já há dias deixei implícito num post lá no CR

Rosa dos Ventos disse...

Acabei de ler no Jornal de Notícias on line que "Houve foguetes nas festas do Soajo mesmo com a serra a arder" e "Governador Civil diz que a tradição é mais forte"
Palavras para quê?!

Justine disse...

Restam-nos as memórias e a indignação, Rosa! Estes são dos tais crimes que não interessa punir...
Um abracinho de saudade para ti:))

Rui da Bica disse...

Essa dos foguetes é de bradar aos céus !
Resta-me o lamento e o consolo cínico de rejeitar qualquer contributo para ajuda de festas, sejam elas onde forem.
... e é com muito prazer que informo porque não contribuo : além dos riscos de incêndios, o "queimar" dinheiro que tanta falta faz, a poluição sonora que não nos deixa dormir e as vidas que se perdem todos os anos com explosões nos fabricantes destes produtos !
.

Pitanga Doce disse...

Ai que Rosa que enquanto descia o rato fui pedindo que não tivesses fotos de como está agora. Ainda bem!

beijos da Pitanguinha

Rui Fernandes disse...

A verdade é que isto está a aquecer e não vai parar. Aproveitar o que há, tirar umas fotografias e habituarmo-nos à ideia de habitar um bunker a muitos metros do solo e de vermos a natureza pelas fotos que tirámos. Bjs.

Rosa dos Ventos disse...

DE novo em acção, "Gervásio Rodrigo Patanisca"?
Já tinha saudades!

Abraço

Lídia Borges disse...

Gosto muito do Gerês. Estas imagens trazem-me um pouquinho dele.

Obrigada!

Não sei como estarão agora estes lugares. Ainda não ganhei coragem de ir ver.

Um beijo!

Lilá(s) disse...

É frustante todos os anos sentir o mesmo.
Beijos

Luis Eme disse...

também conheço a região.

não há muitas palavras, Rosa.

só perguntas...

(mas somos o país do saco roto...)

abraço

Maria P. disse...

Estive por lá o ano passado, também tenho fotos assim, e agora, voltar lá, como será?!

Enfim...

beijinho Rosa*

Há.dias.assim disse...

Infelizmente "Há pouco tempo atrás..."

Dina disse...

Infelizmente todos os anos ouvimos várias promessas que este ano tudo está preparado para que os incêndios dêm tréguas...e depois é o que se vê. O governo promete muito mas faz pouco e os bombeiros têm cada vez mais dificuldades para sobreviverem. Quando a época de incêndios terminar estão cheios de dívidas que o governo não assume, com falta de viaturas porque o governo não substitue as que se perderam nos incêndios nem lhes dá apoio para comprar novas, há cada vez menos bombeiros nos quartéis porque ser bombeiro voluntário não é fácil...enfim poderíamos continuar e era um nunca mais acabar.
Quanto à paisagem...deve estar negra e sabe-se lá o que aconteceu à maior parte da fauna dessa região.