segunda-feira, abril 29, 2013

Quando os dedos de areia...




Quando os dedos de areia se esboroam,
A dureza da pedra é só memória
Do gesto inacabado.
Azul de céu e verde de alga funda,
Vejo a praia do mundo, fresca e rasa,
E o rosto desenhado.

José Saramago

22 comentários:

Catarina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Catarina disse...

A minha atenção centrou-se na foto. Parece-me um urso a debruçar-se sobre a as águas frescas do mar num momento de contemplação, talvez recordando outras águas, outros mares.
Abraço

Rui da Bica disse...

Muito boa a escolha da foto para ligar com o texto !
Parece.me um urso a caminhar para o mar, ou então um leão marinho ! :))
Sobre Saramago, admiro alguma da sua obra (apenas alguma), acho muito curiosa a sua maneira de pontuar o que escreve, mas não gosto dele como pessoa, logo desde que, como director adjunto do DN em 9 de Abril de 75 saneou 24 dos seus colegas de redacção, apenas por defenderem mais pluralismo.
Isso evidenciou a sua natureza (anti)"democrática"que tanto apregoava !

http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1597476

Abraço, Rosa ! :))
.

São disse...

A rocha parece um leão marinho...

Saramago, apelidado de arrogante(que será Lobo Antunes?!), era uma pessoa que encaixava muito bem as opiniões não muito positivas aos seus livtos. Sei-o por experiência propria.

Beijinhos

Malu Silva disse...

Tão belo. A areia tão frágil e ao mesmo tempo uma fortaleza... A praia... o mar... o mar sempre a adentrar em cada um de nós. Linda semana...

Pitanga Doce disse...

Mar é mar em qualquer lugar do mundo, versado por qual seja o poeta e escritor. Mar é mistério e beleza e nos faz pequenos.Muito pequenos.

beijos, Rosa. Um pouco do sol daqui pra ti.

Cristina Cebola disse...

Excelentes partilhas! Voltarei mais vezes!

Deixo abraço!

Teté disse...

Verdade, também fiquei a olhar para a foto, que me pareceu uma morsa a entrar no mar... :)

Não conheço a obra de Saramago (não consigo ler os livros dele), mas de vez em quando leio assim um verso, poema ou crónica e até gosto! :D

Abraço

Rogério Pereira disse...

A natureza parece ter-se organizado
para dar expressão plástica às palavras de Saramago. Há humanos que merecem essa atenção dos deuses...

(bonito, isto)

Teresa disse...

Gostei do poema. Como gosto de muitos dos livros e outros escritos de Saramago. Embora, como pessoa, também o achasse pouco tolerante. Mas que interessa isso? O homem partiu, ficou a Obra!
Bjs

marina disse...

Gosto muito da obra de Saramago, e este poema, e o mar...Sabe bem ler e ver...
Beijinho Rosinha

Graça Sampaio disse...

Muito belo!
A imagem é um espanto! Parece mesmo «pedra que se esboroa» junto ao mar.

Muito bonito.

luisa disse...

Ou muito me engano...ou esse rochedo está na praia da Galé. :)

Flor de Jasmim disse...

Uma excelente escolha para esta imagem tão bela.
Boa semana Rosa

beijinho e uma flor

maria disse...

Também foi a imagem que me trouxe aqui...pela frente parece uma morsa, mas as pernas parecem de um elefante...tal como a Teté também nunca li Saramago, curioso é que de vez em quando sou brindada com textos dele e até nem desgosto...

Abracinho :)

mlu disse...

Não costumo ler poesia de Saramago, talvez porque não o imagino poeta mas aí está ele a dizer-me que sim, neste poema lindo! Li vários livros seus em prosa e gostei de quase todos (os que li). O meu preferido é sempre O Memorial do Convento!
Esta imagem é impressionante!

Um abraço.

quem és, que fazes aqui? disse...


Belíssima imagem; belíssimos os versos de Saramago. Perfeito este post!

Beijo

Laura

Dalma disse...

Não entrando pelo lado da política e não estando capacitada para me pronunciar sobreaviso obra de José Saramago apenas digo que dele só li livro e meio!
Há muitos anos tentei ler o Memorial do Convento, fiquei a meio... Depois quando saiu li Caim que realmente me divertiu, exactamente, divertiu-me! Lendo uma ínfima parte da sua obra não posso dizer mais do que isto. Mas já agora, tive uma colega, conceituada professora de Português e de Literatura Poruguesa, a quem ouvi várias vezes que preferia que os seus alunos o não lessem pois andou ela uma vida a ensinar a importância da pontuação na interpretação dos textos e aparecia um escritor para quem isso parecia não ser importante!

Lídia Borges disse...


Nunca percebi bem por que motivo Saramago "minimizava" a sua poesia.
É tão ele!


Um beijo

Rosa dos Ventos disse...

Gosto muito de Saramago prosador, li muitos dos seus livros e entrei neles sem qualquer dificuldade!
Só o descobri como poeta há dois ou três anos e também fiquei rendida!
Ainda bem que não gostamos todos/as do mesmo...aqui não estava em causa a sua ideologia!

Abraço

Rosa dos Ventos disse...

A foto é mesmo na praia da Galé, vê-se bem que a Luísa domina a zona!
Captei a imagem da rocha por realmente se parecer com um animal deitado à beira mar...parece, pelos comentários, que me saí bem!
Agradeço os elogios...andava a precisar porque as minhas fotos não me têm saído grande coisa ultimamente!
Deve ser do tempo! :-))

Abraço

O meu pensamento viaja disse...

Maravilha!
E logo agora que tenho estado a deambular por praias. Quisera eu ser capaz de assim, sinteticamente, aprisionar a realidade.