segunda-feira, setembro 24, 2012

Na Rota do Românico

Na continuidade das mini-férias aproveitámos para mais umas descobertas porque nas nossas andanças temos a mania de seguir setas que nos indicam a existência de património construído e assim fomos seguindo a Rota do Românico.
Só que os kms a fazer nunca são referidos e isso leva-nos a locais inimagináveis!


Aqui temos a Igreja de Santa Maria Maior de Tarouquela, concelho de Cinfães, que encontrámos fechada.


Seguiu-se o Convento de Santa Maria de Cárquere, concelho de Resende, que fechado estava!



O Mosteiro de Paço de Sousa, no concelho de Penafiel, para variar, também estava fechado!


Finalmente encontrámos um monumento aberto, a Ponte da Lagariça sobre o Rio Cabrum, na freguesia de S. Cipriano, penso que no concelho de Resende.
Tinha uma pequena mas excelente praia fluvial mas por perto só vimos...


...estas cabrinhas bem curiosas e...


...este galaró de crista armado em dono do terreno!
Por perto nem viva alma.
Em S. Cipriano onde almoçámos ainda nos apontaram ao longe a "Ilustre Casa de Ramires" mas avisaram logo que o caseiro normalmente não estava e quando estava nem sempre deixava transpor o portão, daí que nos ficássemos apenas com uma vaga imagem da torre da casa.
É lamentável que coloquem placas a indicar a existência de monumentos que estão invariavelmente fechados!

32 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Para mim, o melhor das férias é exactamente a descoberta. Também tenho a mania de andar a seguir percursos e meter-me em estradas terciárias, porque isso me dá enorme prazer. Não tenho é grande apuro fotográfico... De qaulquer modo, um dia destes ainda sou capaz de me aventurar a publicar umas fotos.
Obrigado pela partilha, amiga. Venham mais!

Lídia Borges disse...


São este os efeitos da desertificação. Tanta terra mal amada. Faz doer a alma!

Lídia

Rui da Bica disse...

Férias como eu gosto ! :)))
Acontece é que com esta crise não faltaria quem assaltasse e vandalizasse esses monumentos que têm resistido aos séculos ! ... mas é pena não se poder ver por dentro ! :))

Abraço !
.

Teté disse...

Também gosto muito de visitar igrejas por dentro, mas também é verdade que as encontro invariavelmente fechadas até aqui por Lisboa. A não ser à hora do terço ou das missas, mas aí visitar é sinónimo de atrapalhar...

Suponho que o Rui tem razão, os assaltos e as vandalizações devem ter contribuído para essa política de "porta fechada"! Ainda por cima em zonas tão despovoadas, pois não são certamente as cabras e o galaró que afastarão os meliantes... ;)

Vale que as fotografias dos exteriores ficaram bem bonitas! :)

Abraço!

Justine disse...

Assim se trata o nosso património cultural! É triste.
Também me encantei a semana passada com as igrejas românicas de Guimarães...que estavam fechadas!
Para não dizer asneiras, fico-me com uma festinha nas cabras, animal que muito estimo, e um abraço para ti!

Graça Sampaio disse...

Até me fazes lembrar os «Cantares de Andarilho» do José Afonso...

«Fui andarilho das bruxas
Moço de S. Cipriano
Já fui morto e inda vivo
Vendi a alma ao Dialho.»

Que belas andanças! E que lindas fotos!

Beijinho

São disse...

Não sei se leste um post que eu fiz depois de vir das Termas de S. Vicente a queixar-me também dessa situação bizarra de encontrar todos os monumentos fechados.

A igreja do Mosteiro de Paço de Sousa (onde se encontra a arca tumular de Egas Moniz, aio de Afonso Henriques) visitei-o porque fui bater à porta da casa que, por acaso, e a do padre.


Uma semana feliz

Rui Pascoal disse...

Por este andar... qualquer dia até esses velhos monumentos emigram.

Flor de Jasmim disse...

Excelentes imagens Rosa!
Triste é a realidade que está acontecendo por todo o País, as melhores construções históricas do País fechados e sujeitos a vandalismo.
Boa semana amiga

Beijinho e uma flor

Flor Guerreira disse...

Tudo isso me é familiar. Tudo isso está ligado às minhas raízes...conheço-os abertos...mas em dias festivos!

redonda disse...

Que pena estar tanta coisa fechada, mas de resto gostei muito do passeio e pelo menos a ponte não conseguiram fechar :)
um beijinho

luisa disse...

Os monumentos fechados (sobretudo as igrejas) são um mal que pelo vistos se verifica por todo o país :(

Lilá(s) disse...

Também esta semana viajando pelo Norte tive peripécias equivalentes...
Bjs

Campista selvagem disse...

Grande verdade, está quase sempre todo fechado, depois querem turismo...
Na maiuria das veses têm pessoas sem nada a faser que até se disponibilizavam para mostrar,só que quem manda afirma que só com formação, uma treta...

Catarina disse...

Também gosto de visitar igrejas mesmo tendo que pagar pela visita... sinto que estou a contribuir de alguma forma para a sua manutenção. Não fosse o vandalismo e a porta aberta atrairia os visitantes. Uma pena. Há monumentos tão lindos em Portugal e, alguns, tão desconhecidos.

mlu disse...

As fotos de "fora" valeram a pena! São lindos os monumentos e quando vi a ponte, antes de ler a legenda, pensei: deste, a Rosa dos Ventos não se pode queixar, está aberto! Ah! Ah!
Acho que as cabrinhas e o galo fizeram pose!
Obrigada!

Tite disse...

Olá querida amiga!

Fico feliz por te saber saltitando de aldeia em aldeia por esse lindo país que é o nosso. Quanto à frustração da porta fechada só pergunto: - o que estavas à espera desta Governação que tira tudo o que representa interesse cultural para continuar a alimentar Fundação que de interesse nada têm?

Beijosssss

Duarte disse...

Querida amiga, não só na Província, a igreja de Cedofeita do Porto, a única obra no género da cidade, está sempre fechada. Imagino que só abrirá para momento solenes, mas quando são?! Uma pena, como vamos divulgar uma arte com esse método?
Abraços

Pérola disse...

A arte sacra está a ser roubada duma forma terrivel por terras de Portugal.
Como não há dinheiro para pagar a porteiros, vigilantes, o que for, a solução é trancar as portas.

Pior são as cirurgias que não se fazem, as aulas que não são dadas ou mal lecionadas por falta de dinheiro.

A cultura ´eum luxo a que só os povos ricos se podem dar.
Primeiro a subsistência.
Estamos a regredir, que queres?

Jardineiro do Rei disse...

Amiga...
Ao menos a Ponte estava aberta! É absolutamente vulgar encontrarmos o nosso património monumental invariavelmente fechado. Principalmente o património religioso. E isso acontece não só no interior mas também nas grandes cidades. Há igrejas monumentais em Lisboa que nunca consegui ver abertas. Aliás, já uma vez fui corrido de uma delas porque tinha terminado a celebração e tinha que ser fechada rapidamente...

Obrigado pela partilha de tão belas imagens...

Rosa dos Ventos disse...

Eu sei que as igrejas e capelas têm sofrido vários roubos mas pelo menos podia haver alguém disponível, por perto, para nos abrir a porta e fechá-la logo que saíssemos...
Afinal são terras cheias de pessoas de idade que são muito zelosas do seu património e gostam de o mostrar!

Pitanga Doce disse...

Gosto deste teus passeios, Rosa. Mesmo quando as portas estão fechadas.

beijos amigos.

Tô com saudade.

trepadeira disse...

Foi uma sorte a ponte estar aberta,se fosse a fortificada da Ucanha poderia estar fechada.

Um abraço,
mário

Rosa dos Ventos disse...

Mas eu já passei a da Ucanha!
Será que vai voltar a ter portagem, Mário Trepadeira?! :-))

Abraço

Teresa disse...

Belo passeio. Desconfio que há monumentos que são só para ver por fora. :)
Bjs

trepadeira disse...

Com as habilidades dos carteiristas para a extorsão e roubo não me admirava nada.

Um abraço,

mário

as-nunes disse...

Bela reportagem de sítios por onde a maior parte dos portugueses não passarão em toda a sua vida, de certeza.

É um privilégio invejável podermos meter-nos a caminho, sem itinerário predefinido, à aventura.
Há sempre um Portugal desconhecido, ao virar da esquina!

Um abraço

tsiwari disse...

Por terras (quase) minhas... Podias ter avisado!

;(

Rosa dos Ventos disse...

Saudades tuas Tsiwari! :-))

Abraço

Anónimo disse...

Lindas!
Como eu gostei dessas lindas cabrinhas que tão bem fotografaste. Até parece que queria falar.:))

Aquele abraço:)
Nina

Prof Ms João Paulo de Oliveira disse...

Cara confrade Rosa dos Ventos!
Agradeço sua deferência em nos brindar com tão encantadoras fotografias, que deixam com comichão aqueles que apreciam conhecer edificações seculares!
Caloroso abraço! Saudações preservadas!
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Diadema-SP

Lídia disse...

LINDA REPORTAGEM!!!

A CABRINHA FEZ-ME LEMBRAR UMA QUE ALGUÉM DEU A MINHA FILHA QUANDO TINHA CINCO ANOS, E VIVIA NA PROVÍNCIA,TAL COMO O GALO O GALO QUE SEMPRE HAVIA NA CAPOEIRA DA AVÓ JESUINA.

LÍDIA