quarta-feira, setembro 08, 2010

No silêncio da tarde...

Subitamente, no silêncio da tarde, ouviu-se um guizalhar compassado mas alegre...
Acordei do torpor físico e mental em que tinha mergulhado, levantei-me da espreguiçadeira, contornei a sebe que me separava do exterior.
Uma linha traçada com uma régua de ternura e disciplina, por um pastor e os seus cães, sulcava a planície alentejana em direcção ao pasto!


24 comentários:

AC disse...

Rosa, é caso para dizer que há vida para lá da espreguiçadeira! :)

Beijo :)

carol disse...

Querido Alentejo e as suas planuras já quase castanhas nesta época. Depois de terem sido amarelas no pico do Verão e roxas na Primavera. Mas sempre lindo!

Lilá(s) disse...

Que maravilha! com uma vista dessas como é possivel perder tempo na espreguiçadeira??
Beijos

Rui da Bica disse...

Que fantástico que é o Alentejo (se lhe tirarmos o calor excessivo) !
Belíssima a planície e oportuna a captação da "linha traçada" pelos carneiros !
Há 2 anos passei por aí uma semana dormindo em Albernoa, mas aproveitei para ver tudo que me foi possível em redor alargado !
.

Isa GT disse...

Aqui na cidade não tenho essa sorte, logo de manhã, são linhas de automóveis que buzinam que nem uns doidos, mal o sinal passa de vermelho a verde, "os animais" ;) ainda não aprenderam que é proibido buzinar perto de um hospital e eu a pensar que vivendo perto de um... ia ser mais silencioso lol

Bjos

legivel disse...

... uma paisagem a que o pastor
quis dar um traço muito pessoal. Se eu a tivesse pintado, agradecia-lhe. E quem sabe não o faria meu sócio nas belas artes.

Abraço e sorrisos.

legivel disse...

... uma paisagem a que o pastor
quis dar um traço muito pessoal. Se eu a tivesse pintado, agradecia-lhe. E quem sabe não o faria meu sócio nas belas artes.

Abraço e sorrisos.

Maria disse...

Lindo o conjunto de palavras e foto!
Obrigada, Rosa.

Um abraço.

Justine disse...

Uma cena primordial, daquelas que faz com que as nossas raízes se mantenham presas à terra!
A tua foto é uma pintura dos princípios do tempo!

Multiolhares disse...

Linda e tranquila beleza pincelada na natureza
Bj

Há.dias.assim disse...

Até nos sentimos mais serenos ao olhar a paisagem....

Manuela disse...

Rosa dos Ventos, estas planícies Alentejanas, sabem a saudade!

Luisa disse...

Serenas, a paisagem e as palavras

Obrigada pela sua gentileza!

redonda disse...

Apetece ir para dentro da fotografia :)

mlu disse...

Que texto lindo! É verdadeira poesia em prosa e merece bem a imagem junta ... ou é esta que merece aquele? Nem sei, é tudo lindo!

Abraço.

Duarte disse...

Quanta beleza! Mas que vida...

Abraços

Patti disse...

Que privilégio!

Patti disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luis Eme disse...

também vi disso nas férias, na Beira.

houve uma vez até ficámos parados na estrada a ver o rebanho passar...

abraço Rosa

Maria P. disse...

Que imagem linda!
O meu Alentejo...

Abraço*

Anónimo disse...

"Uma linha traçada com uma régua de ternura e disciplina"Quanta poesia!Quanta sensibilidade!
Abraço Kinkas

Lena disse...

Olá Rosinha dos Ventos!
Adorei conhecer a menina, ao vivo e a cores.Foi um almoço/tarde muito bem passada,convívio divertido,com 3 meninas inteligentissimas e interessantissimas :) Um dia,jantar aqui em casa em Viseu,eu cozinho e as meninas trazem o chá, o café e o vinho ;)

Jocas gordas
Lena

Rosa dos Ventos disse...

Olá também para ti!
Digamos que, Aveiro, hoje teve o privilégio de receber quatro turistas nada acidentais nem acidentadas, de cinco estrelas! :-))))
Foi um prazer conhecer-te, Leninha!

Abracinho e toca a pôr o blog a andar

rouxinol de Bernardim disse...

Diz bem: «régua de ternura e disciplina»...

que ministro da educção dava este pastor...