terça-feira, abril 13, 2010

Porque é Abril

Numa rua de um bairro antigo de Lisboa...

26 comentários:

Justine disse...

Fizeste-me recuar 35 anos!!!!!
Beijos

Rosa dos Ventos disse...

E sabes o nome da rua?
É divertido porque não dá a bota com a perdigota... :-))
Teria sido escolhida a rua por causa do nome?

Abraço

Claudia Sousa Dias disse...

Grândola, vila morena...

csd

mlu disse...

Não sei o nome da rua mas deve estar em contradição com o mural!
Acho que «foi escolhida a rua por causa do nome»!
Gosto muito de murais bem feitos, em sítios onde não prejudiquem o património de todos ou de cada um!

Abraço.

goiaba disse...

Não é bem saudade, é mais tristeza por levar tanto tempo a concretização de sonhos que julgavamos estarem "logo ali"!
Abraço

Tite disse...

Os grafitti quando são bem feitos até embelezam certos espaços bem tristonhos, que os há.

Pena tenho eu que muitos tenham sido vandalizados.

Como é possível que este se encontrem ainda tão bem conservado?
Diz lá o nome da Rua, apesar de me parecer que isto é para os lados de Penha de França ou por aí.

Isa GT disse...

Abril, o tempo dos sonhos, agora é o tempo dos espertalhões, os sonhos viraram pesadelo, pelo menos para muitos.

fj disse...

porque é Abril, águas mil!

será a R. prof Manel Cigano?

abraço Rosinha.

via disse...

isto já pode ser considerado clássico! de tal modo os estilos rapidamente mudam, tou como a justine recuei 35 anos!

Maria P. disse...

Fantástico!

Beijinho*

Pitanga Doce disse...

E Abril se fez!


Rosa vai lá em casa. É pra ti.

Bartolomeu disse...

Abril, será sempre, assim a memória dos Homens se mantenha viva.
Um novo Abril, urge!

tsiwari disse...

Bonita foto.

Bonitos eram os sonhos, os sonhadores, ...


;)***

legivel disse...

... infelizmente, a maioria destes murais (normalmente de grande força pictórica) não foram perservados. Passamos a vida a apagar a nossa História. Que - como todas as Histórias - são feitas de coisas boas e más.

Abraço.

JPD disse...

Recordo com muita emoção o 25 de Abril.

Duarte disse...

Não conheço muito de Lisboa, sendo uma das cidades, para mim, mais belas do mundo, mas é de louvar que se mantenha esta imagem pintada numa parede. Sim, pois sendo arte, a expressão de fúria e alegria dum povo, nem sempre todos olham assim.
E uma pena que não se vejam mais obras desta índole e sim paredes sujas ou com cartazes publicitários...

Um grande abraço emocionado

bettips disse...

Como diz o Alberto, somos assim, apagaditos da história, desdenhamos a memória...
Por falar nisso, está na Bib. Almeida Garrett uma exposição bem interessante.
Bj

pin gente disse...

o painel tem uma força imensa!
deste valem (só valem) a pena.
fiquei curiosa com o nome da rua.

um abraço
luísa

Luis Eme disse...

sim, Abril é isto, não silenciarmos a nossa revolta perante os mexias, penedos e demais "calhaus", que se vão governando à nossa custa.

abraço Rosa

Lóri disse...

Mas, afinal, o nome da rua???

Excelente foto, Senhora dos Ventos!

Beijinhos

Alberto David disse...

Pois é Rosa, o S.Pedro queimou-me o PC, assim como outros nossos bens conhecidos querem queimar Abril, aqui fica para ti:

Eu Sou Português Aqui

Eu sou português
aqui
em terra e fome talhado
feito de barro e carvão
rasgado pelo vento norte
amante certo da morte
no silêncio da agressão.

Eu sou português
aqui
mas nascido deste lado
do lado de cá da vida
do lado do sofrimento
da miséria repetida
do pé descalço
do vento.

Nasci
deste lado da cidade
nesta margem
no meio da tempestade
durante o reino do medo.
Sempre a apostar na viagem
quando os frutos amargavam
e o luar sabia a azedo.

Eu sou português
aqui
no teatro mentiroso
mas afinal verdadeiro
na finta fácil
no gozo
no sorriso doloroso
no gingar dum marinheiro.

Nasci
deste lado da ternura
do coração esfarrapado
eu sou filho da aventura
da anedota
do acaso
campeão do improviso,
trago as mão sujas do sangue
que empapa a terra que piso.

Eu sou português
aqui
na brilhantina em que embrulho,
do alto da minha esquina
a conversa e a borrasca
eu sou filho do sarilho
do gesto desmesurado
nos cordéis do desenrasca.

Nasci
aqui
no mês de Abril
quando esqueci toda a saudade
e comecei a inventar
em cada gesto
a liberdade.

ainda urgente.

Eu sou português
aqui
o português sem mestre
mas com jeito.
Eu sou português
aqui
e trago o mês de Abril
a voar
dentro do peito.

Nasci
aqui
ao pé do mar
duma garganta magoada no cantar.
Eu sou a festa
inacabada
quase ausente
eu sou a briga
a luta antiga
renovada

José Fanha

Rosa dos Ventos disse...

Caros Amigos

Como a maioria referiu este mural é extremamente simbólico.
Chamou-me a atenção pela sua força não só pictórica mas também iconográfica ao nível das "marcas" que acompanham as várias personagens, do respeito que o tem envolvido e do cuidado que o tem acompanhado nos retoques necessários na pintura.`
É um documento da nossa História impossível de apagar da nossa memória colectiva.
E aqui fica o nome do bairro e do arruamento (não é uma rua)onde se localiza, se a minha memória visual não me engana.
Fica no Bairro Alto, na Travessa dos Fiéis de Deus, muito perto do restaurante-casa de fados "Faia".

Abraço a todos

Tite disse...

Rosa Marota

Continuas a guardar o mistério só para ti?

Não faz mal cá voltarei as vezes que forem precisas. Estou curiosa.

Mas garanto-te que não vim só por ti.

Quando comecei a ler o poema que o Alberto David aqui deixou senti saudades do velho José Fanha e dos seus poemas tão emotivos.

Beijossss

Rosa dos Ventos disse...

Cara Tite

Não sei o que é que se passou pois já desvendei o mistério da localização do mural...
Provavelmente quando introduziste o teu comentário o meu ainda não tinha entrado!
O Alberto David está sempre a presentear-nos com belos poemas! Este é um deles...

Abraço

Tite disse...

Pois foi querida amiga.
Eu estava a escrever o comentário e saí para fazer qualquer coisa quando tu resolveste revelar o mistério.
Quando publiquei o meu já lá estava a tua informação.

Fiquei com a ideia que conhecia o mural de uma ruas próximas onde vivia uma ex-colega minha de trabalho próxima da residência privada de Ramalho Eanes. Por isso fiquei na dúvida e com esta curiosidade imensa. Só para perceber se a minha memória visual ainda estava em pleno.

Mas aí também é provável que eu tivesse visto pois era próximo de um local onde levava vários colegas Suecos quando vinham a Portugal.

Obrigada!

carol disse...

25 de Abril sempre!
Malgré tout...