terça-feira, setembro 15, 2009

Piódão

Não consegui uma melhor perspectiva mas as duas igejinhas brancas que se destacam do escuro das fachadas do casario encravado na serra do Açor são bem visíveis.


Desde tempos remotos que a única fonte de rendimento das mulheres desta aldeia era a venda de ovos no mercado da Covilhã. Andavam kms pelas serranias com este género de canastra à cabeça.

Esta cantareira faz-me lembrar a que existia na grande cozinha da minha avó Emíla, mãe da minha mãe, que foi a primeira dos meus avós a partir quando eu era adolescente.



Aos pés do catre, onde finalmente repousavam depois de tanto mourejarem, as botas cardadas que ainda ostentam a poeira dos caminhos.
Estas três imagens, bem como a do quadro "naïf", encontram-se no pequeno mas simpático museu do Piódão.


14 comentários:

Justine disse...

Aldeia tão encantadora, com tudo o que guarda de genuino!
Vontade de voltar, depois da tua reportagem:))

Si disse...

Juro que tinha pensado no Piódão, mas não me atrevi a sugeri-lo como solução. A única vez que lá estive foi há 17 anos atrás e ia jurar que igrejas só tinha uma, muito branca, a contrastar com o negro do xisto do resto do casario.
Vontade de lá voltar, sem dúvida!!

H.B. disse...

Então andaste por aqui e não deste sinal de vida ??
Bonito o Piodão , aprecio a sua aguardente de mel.

sendyourlove disse...

...falha minha que de tantas vezes lá fui, ou passei e não registei a pequena capelinha no meio da aldeia...
...uma terra linda, de um concelho maravilhoso onde passo muitas horas das minhas férias, todos os anos...

Ah e não ando desaparecida, estou nos sitios de sempre, apenas mais caladinha do que é costume... ainda a recuperar das ferias e a acertar o passo com um novo ano...nova vida...

Abraço

Pitanga Doce disse...

As lembranças também andam por aqui. Nunca fui a Piódão. Deve ser "fresquinho" lá, no Inverno e a paisagem de tirar o fôlego.

beijos Rosa (era aquele o texto a que referia aqui, alguns posts abaixo)

Alberto David disse...

Quando uma viagem a terras Algarvias ? Um abraço e espero que o almoço estivesse a 100%, já respondi com todo o prazer ao seu comentário. Um abraço Amigo

Tite disse...

Lindo, lindo, lindo!

Não tinha visto o enigma e acho que não chegaria lá, mas este é mais um dos belos locais que a Beira nos proporciona quando a visitamos, seja a Beira Alta, Baixa ou Litoral.
É Portugal e está tudo dito.

Anónimo disse...

Mais uma escapadinha que me proporcionaste,Obrigado por partilhares connosco estas preciosidades.
Abraço Kinkas

JOÃO SENA disse...

Passei estes dias com amigos na serra do Açor. Ali, onde as encostas são empinadas e se vêem as aves de costas, onde as nuvens se arrastam entre os vales, e o que restou das matas carbonizadas já é verde, pude sentir o frio seco das serras e constatei o que é ser audaz, como o foram, tantos, que nas estradas florestais de Arganil, ali fizeram as etapas classificativas do Rally do Vinho do Porto!
Aquilo é de fazer colar o estômago às costas! Só quem já viu o que são aquelas estradas, aquelas ravinas, aquelas curvas apertadas as poderá imaginar como serão de noite e a cem à hora! À grandes malucos daquelas magníficas máquinas voadoras!
Mas foram as terras do xisto e um poema, ORGASMO, que Torga deixou num dos miradouros, o muito que guardarei para sempre ou até ao dia em que ali possa de novo voltar.
Assim Deus nos dê vida: ao meu amigo Ruben, meu camarada de guerra e de profissão, e a mim.

(publicado no meu blog em 15/5/09

Rosa dos Ventos disse...

Caro H.B.
Quando passámos perto de Vide bem vi a indicação para os teus domínios mas o objectivo era Avô, Coja, Arganil, Góis...
São terras de água, onde apetece sempre voltar!
O que não quer dizer que não vá, lá mais para o tempo frio, até Seia! :-))

Abraço

Rosa dos Ventos disse...

Caro João Sena
Tenho que ir reler o tal poema de Miguel Torga que muito admiro.


Abraço

Tite disse...

Quando passámos perto de Vide bem vi a indicação para os teus domínios mas o objectivo era Avô, Coja, Arganil, Góis...

Então também andaste por ali?

Há dois anos foi mesmo o meu destino de passeio com amigos mesmo de Avô. Adorei e não nego a minha grande vontade de lá voltar.

Tirei bonitas fotos daquelas redondezas que visitei depois de ter estado na Serra da Estrela e ter ido até Vila Nova de Foz Côa e Figueira de Castelo Rodrigo.

Jokas

goiaba disse...

Estive no Piodão há anos, depois de grandes incêndios na zona e o caminho até lá parecia interminável. Estava já recuperada a igreja principal, não me lembro de outra. Havia um único telefone numa pequena taberna-merceária- ligar de encontro. Mas achei lindo.
Pessoas amigas que lá vão trazem-me casinhas de xisto de presente. O Amon já espatifou uma e as outras estão escondidas.
( espero que a gatinha tenha aparecido ; acho que deve ser um sufoco!)
Abraço

PreDatado disse...

Também tive uma avó Emília, mãe da minha mãe.