quinta-feira, setembro 11, 2008

A pasta...

Era de cabedal maleável, em tom castanho avermelhado, tinha um fecho a meio e uma presilha de cada lado que prendia numa fivela. Foi o meu pai que a trouxe de Espanha e ma ofereceu quando entrei para a Primária.
Nos primeiros dias andava muito leve, mas com o tempo foi-se enchendo com o Livro de Leitura, o de História, o Caderno de Exercícios de Aritmética, a tabuada, os diversos cadernos para cópias, redacções, ditados, contas, desenhos, a pedra (ardósia) e a respectiva pena, a caixa de madeira com um boneco pintado na tampa e que tinha os lugares bem definidos para a caneta, o lápis, a borracha, a afiadeira e ainda havia espaço para a pequena caixa com seis lápis de cor, da Viarco.
Periodicamente passava-lhe com um produto para manter o cabedal saudável e esfregava-a com um pano de lã até ficar brilhante, como nova.
Esta pasta acompanhou-me até ao final da 4ª classe e admissão ao liceu, exames feitos no mesmo ano e só não a levei para o colégio onde fiquei até completar o 5º ano (agora 9º) porque em regime de internato não tinha necessidade dela.
Neste "regresso às aulas" a minha caixa de correio tem sido inundada com folhetos de campanha publicitária do "Regresso às Aulas". Procuro na secção de mochilas um modelo semelhante à minha pasta de cabedal maleável, em tom castanho avemelhado, mas não encontro...

14 comentários:

Maria P. disse...

Pois...eu tinha uma bolsa feita de ganga, a minha Mãe bordou o meu nome, era bonita...

Agora são as marcas que contam!
E venham os créditos na banca até para comprar mochilas!!

Beijinho*

Multiolhares disse...

Ao longo do tempo tudo vai mudando,só o nosso sentir
Se vai mantendo
bjs

Anónimo disse...

RV,a tua pasta devia ser igual à minha!!
Até a caixinha de madeira com o boneco pintado na tampa...
Obrigada pela lembrança.
Abraço
GB

Átila disse...

A minha pasta !!! Não me lembro dela , mas acho que era de pano e com alças para trazer ao ombro . Recordo-me da lousa e dum pano para apagar o que escrevia e do livro de leitura da 1ª classe . Consigo imaginar a tua figura nessa altura , devia ser igual á da NProvedora

Justine disse...

Como queres tu encontrar nos folhetos publicitários uma parte de ti? Um elo da tua vida? Um pedaço da tua memória?
Tão terno e nostálgico, o teu post
Beijinho

pikenatonta disse...

Olá, olá!!! Sim, era eu no Sociedade Civil! eheh! Sempre que posso, e o tema interessa-me, vejo o programa. :)

Beijocas!!!

Escutador de Almas disse...

Também sou do tempo da pasta!
Quando estive na aldeia (4ª classe) a
minha era a única.
Os outros miúdos usavam umas saquitas a tiracolo, que eu tanto queria mas não me deixavam ter.
Tu eras muito mais arrumadinha!

pin gente disse...

eu também tinha uma pasta de cabedal. não era vermelha. era maior que eu. mais tarde retomei-a na faculdade. escurecia. sempre gostei muito dela. gastou-se até ao último bocadinho de pele.

um beijo
luísa

Patti disse...

Engraçado, que quando fiz o meu post da azáfama do regresso às aulas, também me lembrei da minha pasta, dos meus cadernos e sebentas, lápiz de cor e guaches da Cisne.

Anónimo disse...

O regresso à infância é importante.De repente lembrei-me da minha pasta de papelão castanha, da cor do chocolate, era dura e não gostava nada dela.Penso que não foi muito cuidada...na 3ª classe os meus padrinhos ofereceram -me outra.
Bjs da Oriana

Patanisca disse...

Será que a saudade e o saudosismo são cenas assim tão saudáveis? Pareces o meu amigo que anda sempre a serrazinar-me com as coisas do tempo dele, parece que só então eram boas, que as maçãs até tinham bicho, que os morangos eram bem pequeninos, mais amargos e muito cheirosos, que os livros escolares eram forrados e estimados para dar para os irmãos (e parece que até os usavam, vê lá tu!). Agora compra-me livros reeditados com a capa da juventude portuguesa a pegar na bandeira do condestável e a fazer a saudação romana e diz que é para voltar a ler os livros da sua classe.

Às tantas as vossas memórias parecem mas é umas arcas congeladoras.

Desculpa este desabafo, mas é o que me parece...

dona tela disse...

Amoroso, amoroso é o post que acabei de fazer.

Muitos cumprimentos.

Rosa dos Ventos disse...

Cara Patanisca
Tens toda a razão!
Vou ver se consigo sair desta área das memórias, apesar de ter um quotidiano completamente desinteressante, ou por outra aquilo que é mais interessante no meu quotidiano é algo que poderia conduzir a alguma polémica e eu também não quero bate-papos desse género, bem basta o que ouço "ao vivo e a cores"! :-))

Abraço

redonda disse...

Engraçado, já quase não me lembrava, mas também tinha uma e preparava-a à noite para o dia seguinte, com o estojo, os cadernos e os livros. Não me lembro muito bem é como era.