sexta-feira, novembro 03, 2006

À espera de um sinal ao Sul

Vou partir rumo ao Sul
Sentar-me frente ao mar
E esperar
Que me dês algum sinal!

Pode ser
nuvem
estrela
gaivota
barco
concha
chuva
Seja o que for
Eu vou entender
Quando estiver
Frente ao mar
À espera
Do teu sinal...

6 comentários:

apple disse...

às vezes também anseio por um sinal, que sei que não virá...a saudade, a necessidade de ouvir a voz, de ver, de sentir o perfume, o toque... e sei que aqui o nunca mais é incontornável...

e sinto-me tão triste, tão envolta num véu de ausência e de saudade que todos os dias me suga a alegria...

Ida disse...

Lindo poema... dá vontade de enviar para alguém que eu cá sei! Muito lindo!

Skywatcher disse...

Lindísso. E quem será o autor/a ?

Luisa Oliveira disse...

muito, muito, muito bonito. mas não fiques eternamente à espera de sinais... eles aparecem quando menos esperamos. vive sem ser em função deles!

um enorme beijinho

Ida disse...

O poema lembrou-me estes versos do Godinho. Não me pergunte porque. Acho q é pq tem jeito de 'sinal' finalmente encontrado. Boa noite!

--a noite passada um paredão ruiu
pela fresta aberta o meu peito fugiu
estavas do outro lado a tricotar janelas
vias-me em segredo ao debruçar-te nelas
cheguei-me a ti, disse baixinho "olá"
toquei-te no ombro e a marca ficou lá
o sol inteiro caiu entre os montes
e então tu olhas-te
depois sorriste
disseste "ainda bem que voltaste"--

Skywatcher disse...

Agora já sei de quem é a autoria do Sinal ao Sul e fico feliz por conhecer personagem de tão grande sensibilidade. Continue, minha cara poetisa, que o jeito está-lhe na alma...e sai-lhe da pena.!