quarta-feira, outubro 09, 2013

Solidão



"Perdi o jeito de ser gente. Não sei mais como se é. E uma espécie toda nova de solidão de não pertencer começou a me invadir como heras num muro."

Clarice Lispector

25 comentários:

Tétisq disse...

As heras são plantas invasoras...

O Puma disse...

Aprender aprender sempre

Anónimo disse...

Olha,foram coisas da Clarice que passava o tempo a pensar e a escrever em "estranho".Eu,por mim,logo que ponho o feijão de molho de véspera,já não me invade senão a ideia de que tenho de o cozer, reduzir a puré e juntar-lhe os restantes produtos para fazer uma sopa daquelas...Quanto às heras,tenho mais é invasões de teias de aranha.Vês o estado da Kinkas?...

Pedro Coimbra disse...

Efeitos do final das férias?? :)

Janita disse...

Há que arrancar essas heras que tudo tomam e consomem a alma... abrir as janelas, deixar entrar a claridade e a luz redentora de tristezas e melancolias, Rosa!

Ah...se eu deixasse...já estaria coberta de musgo e heras!

Abraço!:)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

nostalgia outonal?

Justine disse...

Há momentos assim...mas a gente atira-se com toda a força às heras e arranca-as pela raiz!!

Pitanga Doce disse...

Há dias em que a hera encobre todo o muro. Outros vêm em que nem a vemos. É assim viver, Clarice. É assim, Rosa.

beijos pitangueiros

O meu pensamento viaja disse...

Essa mulher esteve sempre muito à frente do seu tempo!

marina disse...

Que nostalgia é essa?!!!
A hera faz muros lindos...
Beijinho Rosa

Graça Sampaio disse...

Tem pensamentos fora de série esta Clarice Lispector. Mas põem-nos bastante em baixo por vezes.

Não deixes!

luisa disse...

Que imagem tão forte sai dessas palavras...

heretico disse...

há que podar as heras - antes que a pele grite ...

beijo

Ricardo Santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricardo Santos disse...

http://www.youtube.com/watch?v=jJj6JS7XLZY

Mar Arável disse...

Tudo se move

até as heras

Bj

Teté disse...

Clarice Lispector tem uma maneira de dizer as coisas, que fazem todo o sentido... :)

Abraço e bom fim de semana!

Jorge disse...

Uma onda de Outonal nostalgia convida a minha amiga a maior introspecção e recolhimento.
As heras que guarnecem o portão dão-lhe simplesmente protecção.
Um abraço,
Jorge

São disse...

Solidão? Quando fazemos boa companhia a nós , não há solidão.A pior solidão é a acompanhada!

Bons sonhos

tulipa disse...

Olá querida Rosa

mesmo com muitos amigos virtuais
pode acontecer
esta natural
nostalgia outonal...


o deserto
para mim
foi na Tunísia
e
agora em Marrocos

é isso
o deserto resguarda
in.confessáveis segredos

eu não anseio mais nada!!!
...
sinto-me fintada

desfaleço na luta,
falta-me tempo
falta-me esperança.

um beijo meu
bom fim de semana

quem és, que fazes aqui? disse...


Rosa, se eu publicasse isto... até era possível.

Vamos lá a deitar herbicida nessas eras! Não tens? Queres que to mande?

Beijinho

Laura

Lídia Borges disse...


Clarice Lispector, a linguagem sem curvaturas.

Belíssimo!


Um beijo

as-nunes disse...


Eu não seria tão drástico, mas o pensamento, vai e vem numa corrente contínua...às vezes em torrente...

bom domingo, um abraço.

tsiwari disse...

Foto linda, também!

maria disse...

Como eu a compreendo...

Abracinho :)