quarta-feira, outubro 10, 2012

Saúde Mental

Acabei de ler no "Público", a propósito de ser hoje o Dia Mundial da Saúde Mental, uma entrevista com o psiquiatra Pedro Afonso que às tantas diz que" os governantes não transmitem segurança nem esperança e que isto tem um efeito desmoralizador sobre as pessoas".
Estamos perante o óbvio mas também é verdade que as más notícias repetidas até à exaustão nos meios de comunicação social e nas redes sociais também contribuem para esta atmosfera depressiva em que a maioria da população portuguesa anda mergulhada e com muita razão. Eu também estou incluída nesta maioria!
Dir-me-ão que não podemos fazer como a avestruz e que devemos estar esclarecidos e esclarecidas sobre aquilo que se está a passar  e eu acrescentarei que estou esclarecida, não faço como a avestruz mas a minha saúde mental está suficientemente abalada há anos para procurar proteger-me.
Da minha arte de fingir que não estou louca há anos depende a minha pequena família!
Com isto não estou a criticar as postagens daqueles e daquelas que me mantêm informada, quero apenas dizer que não é fácil fingir que estou lúcida!
Espero que me compreendam!
Afinal se tenho favoritos tão diversos nas suas postagens é porque gosto mesmo deles!

24 comentários:

São disse...

Há momentos em que nos temos que defender, até para reganhar forças e podermos continuar a lutar contra aquilo que nos abate, sem dúvida!


O meu solidário abraço.

Rogério Pereira disse...

Da maneira que marcha o mundo
É loucura manter-me lúcido
Mas mais loucura é estar alienado

Sofrer com o que se passa é um elevado nível do estado saudável
Só um doente não sente...

Teté disse...

Uma coisa é estarmos esclarecidos, outra muito diferente é deixarmo-nos abater por tantas notícias desmoralizadoras. Aí suponho que o psiquiatra tem razão: o efeito existe, mas temos de ir lutando contra ele, para mantermos alguma lucidez. E, de algum modo, contribuirmos e participarmos para ultrapassar esse desalento, especialmente ao nível dos que nos são mais próximos.

Se para mantermos a nossa sanidade mental há que procurar pequenas coisas que nos dão prazer, so be it! E isso também não é a mesma coisa do que imitar a avestruz... :)

Abraço

Rui da Bica disse...

Tal como a crise financeira, não creio que seja um problema exclusivamente português !
O mundo sofre dessa “doença generalizada” ! Os órgãos de comunicação, as redes sociais, … nós próprios, como agora o estamos a fazer, nos encarregamos de contaminar o ambiente e o contágio é inevitável !
Eu diria que não deveríamos fazer como a avestruz, mas antes ter um comportamento inverso, mais optimista, menos dramático (eu sei que é difícil) !
É preciso que todos levantemos a moral e vejamos o futuro com mais esperança. De outro modo, será o caos para a lucidez e saúde mental !
… e reparem que não nos adianta muito o lamento, a interiorização de “estados negativos”.
Não ganhamos muito com isso, antes agravamos a situação !
Eu sei que não é fácil fingir que não estamos a caminhar para a loucura, mas será que a solução é não fingir e encará-la ?
… eu acho que temos que ser como o poeta, que diz que é um fingidor ! … e temos que ver “poesia” nas coisas !
Não nos deixemos cair na tentação fácil do desânimo e da desmoralização !
.

Teresa disse...

Olha, eu compreendo-te muito bem. Também tenho o meus momentos de desânimo (sou funcionária pública, não é?), mas tento seguir a vida, o dia a dia, o melhor possível, tentando encontrar os lados bons das coisas, e os pontos positivos dos dias. É uma questão de sobrevivência!
Bjs

Isa GT disse...

...está difícil mas aproveitem porque para o ano... vai estar pior...
Tenho a impressão que, com estes comentários, mesmo louca ainda vou chegar a animadora cultural lol

Bjos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Eu tenho momentos de loucura e outros de fraqueza, mas procuro exorcizá-los, precisamente através do blog. Às vezes, sinto-me como se estivesse a esbofeteá-los e isso alivia-me : -)))
Mas compreendo-a muito bem, Rosa...
Abracinho

Tite disse...

Há muito que tento fazer de conta que "no pasa nada" mas... está difiiiiiicil.

O meu jeito de tentar proteger-me é ouvir muito menos notícias e não visitar blogs de índole exclusivamente política.

Esconder-me não posso mas fazer de conta talvez ajude a passar melhor o tempo.

Beijos

ematejoca disse...

Também eu te compreendo muitíssimo bem, Rosa dos Ventos!!!

Concordo com os comentários da Teté e do Rui da Bica, mas às vezes desespero como, por exemplo, ontem à noite.
Infelizmente, não uso os meus blogues para desabafar como faz o Carlos.

É exacto, aquilo que tu escreves no teu comentário Rosa dos Ventos!

De acordo com a Real Academia Sueca das Ciências, cada uma das milhões de células que compõem o corpo humano tem pequenos receptores que lhe permitem perceber o meio que as envolve e adaptar-se a novas situações.
Os receptores acoplados à proteína G permitem às celulas detectar luz, sabor, odor, adrenalina, histamina, dopamina e serotonina, entre outros.
A Academia sublinha ainda que "cerca de metade de todos os medicamentos actuam através dos receptores acoplados à proteína G". Durante muito tempo, foi um mistério para os cientistas entender como as células conseguiam sentir o ambiente ao seu redor.
Na base da sua investigação podem obter uma combinação exacta dos medicamentos com menos efeitos secundários.

trepadeira disse...

Gosto muito da minha loucura,vou continuar a cultivá-la,com curiosidade.
Vontade de me rir não tiram,sobretudo rir deles,rir ainda mais quando os vir partir,a ponta de sapato.

Um abraço,
mário

amiga da onça disse...

E eu estou a gostar de vir aqui ler este blog, bjs.

Rui Pascoal disse...

"De louco todos temos um pouco"... mas eu só quero o que é meu.
:)

Não consegui fazê-la sorrir?
Pelo menos tentei...
:(

Graça Sampaio disse...

Eu não estou esclarecida - estou estarrecida! Com as notícias e mais ainda com os comentários às mesmas. Quanto à minha saúde mental... há muito está abalada... mas finge-e, não é?

Beijinhos

luisa disse...

E a cada dia parece piorar, mesmo quando nos parece impossível a coisa piorar. Há que resistir e mesmo assim não deixar de sorrir. :)

Rosa dos Ventos disse...

Exactamente, Gracinha!
Mas cá vamos fingindo umas vezes bem, outras menos! :-))
Como diz a Isa GT e outros esclarecidos para o ano será pior!:-(
Mas para pior já bastava assim!

Abraço

Rosa dos Ventos disse...

Cara Ematejoca
Agradeço-te toda a explicação!
Pensei logo no alívio dos efeitos secundários da quimioterapia! :-))
Era tão bom que as pessoas não sofressem em cima do sofrimento!

Abraço

maria disse...

Como diz o brasileiro, "eu vou levando...", seja lá o que isto quer dizer...

Por norma sou otimista, mas tenho dias, dias em que estou louca, dias em que ponho a cabeça na areia e dias em que tou nem aí, apesar de tudo não perco a esperança e ainda acredito...

Concordo com tudo o que diz o Rui.

Abraçinho :)

Duarte disse...

Imprescindível, mas como me disse numa ocasião um bom psiquiatra aqui da terra: -realmente estamos todos algo loucos... Sinceramente não me estranhou tal afirmação. Mas que sigamos!
Abraços de vida

ematejoca disse...

Todos os meus amigos virtuais que recebem os meus longos comentários, deviam ter como tu, um confortável sofá.

Não me fales de quimioterapia, Rosa dos Ventos, porque a causa da minha depressão não é a crise financeira, mas sim, as doenças e as mortes recentes na minha família.

redonda disse...

Acho que comprendo porque já me senti assim.
um beijinho
Gábi

Rosa dos Ventos disse...

E por que razão é que perdi a lucidez há uns anos? :-((
Se falei de quimio foi pelo que vi sofrer...sem poder fazer nada!
Desculpa Ematejoca...
Mas gostei da explicação pormenorizada!

Abraço

Anónimo disse...

É exatamente por isso que vejo cada vez menos tv.
Estou a par de algumas coisas, mas muito mais rouba-me a paz que tanto preciso.
Como tenho percebido que ando a atingir o meu limite, meti-me na secretaria da escola e só de lá saí com contas feitas.
Sabendo, agora, que me será impossível mete baixa, é mais fácil resignar-me e continuar a caminhada.

Aquele abraço, Rosinha

Rosa dos Ventos disse...

Pois é, querida Nina! :-((
Com a redução do vencimento por causa da baixa quem é que pode ocupar-se dos elementos mais frágeis da família e tentar ganhar mais forças?


Abraço solidário

Catarina disse...

As situções desmoralizadoras noticiadas até à exaustão não podem ter consequências ...saudáveis.