quinta-feira, novembro 05, 2009

Ventania

A Dança do Vento
O vento é bom bailador,
Baila, baila e assobia.
Baila, baila e rodopia
E tudo baila em redor.
E diz às flores, bailando:
- Bailai comigo, bailai!
E elas, curvadas, arfando,
Começam, débeis, bailando.
E as suas folhas tombando,
Uma se esfolha, outra cai.
E o vento as deixa, abalando,
E lá vai!...
Poema incompleto de Afonso Lopes Vieira
.
E diz aos meus cabelos, bailando:
- Bailai, comigo, bailai!
E eles desprendem-se do gancho,
Dançam-me em frente dos olhos
E o vento me deixa
Despenteada, desgrenhada e abalando
Lá vai!...
De regresso a casa, depois de uma saída até à mercearia ao fundo da rua.

16 comentários:

Si disse...

Não pode ser!
Então uma Rosa dos Ventos deixa que ele abuse assim???
Tsk, tsk, tsk, que mal educado que ele está! ;)

UATI-Universidade da Terceira IdadeA iDADE disse...

Sentado no meu quarto
de lua crescente,
fito as estrelas sentadas à janela
num descanso reluzente.
Planícies em fuga lá fora
precipitam-se sob a chuva fria
que insiste em não cair,
deixando os sobreiros sem companhia.
Converso ventos e machados
com a laranjeira deitada no jardim,
numa saudade de sol posto
que se apodera da planície em mim.
Beijo o horizonte perdido
na sua eternidade pueril
com as mãos [...]

aventania.wordpress.com/

Abraço

Bartolomeu disse...

Quem me dera ser vento... ía esconder-me à porta da tua casa para brincar com os teus cabelos, sempre que saísses...

Patti disse...

Pois eu sou muito outonal e invernosa (mas sem chuva) e adoro uma boa ventania. Que saudades!

Maria disse...

Não é o cabelo a esvoaçar que me perturba com o vento. É o frio cortante que o vento traz, aqui na cidade formosa e fria...

Um abraço

JPD disse...

Belo poema!

Arabica disse...

Nunca vi uma ida à mercearia tão poética, inspirada e....ventosa!! :)

Um abraço, Rosa...dos Ventos :)

legivel disse...

Baila que baila tal vento
sem destino e pouco tento;
nesse baile eu não me perca
tenho sorte, sou careca.

e gasto do supermercado
(loja fina, no Chiado)
onde não há ventania
e não sopra a carestia.

Legível Novo Rico.
(poeta "rimático")

abraço e sorrisos.

Anónimo disse...

Ora, este não leva nada daqui. Quais cabelos balando, qual gancho que se desprende?
Sou mesmo desmancha prazeres do vento... Não tanto como o "legível", mas quase!

map disse...

Não sei porque saí "anónimo". Afinal também tenho nome (de fábrica, é certo, mas corresponde ao meu nome)

Duarte disse...

Por aqui o vento soprou
forte, e limpou
as árvores de folhas,
agora mais nuas,
com os braços erguidos
ao vento a pedir
um novo equinócio,
para que se cumpra o ciclo.

Beijinhos

Tite disse...

Olá amiga!

Como o teu encontro com o vento numa deslocação à mercearia te inspira desta maneira...

podes voltar para a rua ao encontro de outro qualquer elemento que nós só ficamos a ganhar.

Bom fdS

Belisa disse...

OLá :)...

Também encontrei vento e folhas! Lindo!
Desejo um bom fim de semana.
Olha eu mudei...
Beijos estrelados

Justine disse...

Que seria de ti sem o vento, Rosa??
E abençoado passeio, que tão produtivo foi...:))

mlu disse...

E não é que podia mesmo ser uma boa continuação para o poema de Afonso L. Vieira?
Eu gosto do vento, embora o ache muito "desarrumado". Tenho algum medo quando ele exagera!...

Maria P. disse...

Hoje sopra forte por aqui!
Eu gosto de vento:)

Beijinho*