sexta-feira, abril 27, 2007

Porta fechada


Quem bate à minha porta
Tão insistentemente
Saberá que está morta
A alma que em mim sente?


Saberá que eu a velo
desde que a noite é entrada
Com o vácuo e vão desvelo
De quem não vela nada?



Saberá que estou surdo?
Porque o sabe ou não sabe,
E assim bate, ermo e absurdo,
Até que o mundo acabe?

.
Fernando Pessoa, in Cancioneiro



7 comentários:

Luis Eme disse...

O Fernando Pessoa é quase tudo...

sonhadora disse...

Não deixes adiar o amor. Esta noite, busca-o. à momentos...
Beijinhos embrulhados em abraços

Entre linhas disse...

Fernado Pessoa o grande poeta imortal...permanece vivo na nossa memória.

Bom fim de semana

Bjs Zita

Entre linhas disse...

Fernado Pessoa o grande poeta imortal...permanece vivo na nossa memória.

Bom fim de semana

Bjs Zita

Maria P. disse...

Que harmonia entre a imagem e o poema. Fantástico.

Bom fim de semana*

Su disse...

excelente foto
excelente poema..........fp...sempre

jocas maradas de palavras

Skywatcher disse...

Felizmente, quando Deus fecha uma porta, abre logo DUAS JANELAS ... esperemos que também aqui e agora, assim possa ser...