sexta-feira, março 02, 2007

Viola chinesa

A Wenceslau de Moraes


Ao longo da viola morosa
Vai adormecendo a parlenda
Sem que amadornado eu atenda
A lenga-lenga fastidiosa.

.
Sem que o meu coração se prenda,
Enquanto nasal, minuciosa,
Ao longo da viola morosa,
vai adormecendo a parlenda.
Mas que cicatriz melindrosa
Há nele que essa viola ofenda
E faz que as asitas distenda
Numa agitação dolorosa?

.
Ao longo da viola, morosa...


.Camilo Pessanha, in Clepsydra
Camilo Pessanh

6 comentários:

Esplanando disse...

Não vi por lá nenhuma viola!

Rosa dos Ventos disse...

Alguém a meteu no saco! ;))

Maria disse...

Difícil descalçar a bota...
Meter a viola no saco...

Muito bom para começo de fim de semana...
Beijo

Luis Eme disse...

Belo poema...

tio disse...

gostei do poema.

LB disse...

Ao longo da viola, morosa...

Beijinho