terça-feira, junho 18, 2019

Creme Benamôr



Aqui há dias, o embrulhinho quadrado, em papel prateado e com um laço de ráfia, oferecido por uma amiga, fez com que bem lá do fundo da minha memória saltasse uma lembrança de infância logo que o abri.
Era um sabonete da Benamôr que me trouxe, além da saudade, o cheiro inconfundível do Creme Benamôr que a minha mãe usava.
Afirmei que o creme vinha numa caixa de lata, o plástico ainda estava pouco divulgado, mas a minha amiga , por ser muito jovem, não fazia a mínima ideia da sua configuração.
Cheguei a casa, liguei o computador e fui à Net procurar a tal caixa de creme.
Só que a minha memória visual me tinha enganado, afinal o creme vinha em bisnaga!
Mas a minha memória olfactiva não me enganou e trouxe-me o doce e suave cheiro da minha mãe.

( As fotos são da Net)

23 comentários:

ematejoca disse...

Fiquei intrigada a pensar, qual era a marca do sabonete da minha mãe. Sei sim, que ela gastava rios de dinheiro com os seus produtos de toilette. Quando faleceu, à noite, de um minuto para o outro, tinha ido ao cabeleireiro de manhã e à manicure e pedicure. Não herdei, nem a sua beleza, nem a sua vaidade 💙

saudade disse...

É sempre bom encontrar coisas que nos recordam a infância.
Boa semana
Beijo

A TItica disse...

São memórias que nos ficam para sempre...

Flor de Jasmim disse...

Tenho uma embalagem cá em casa, há um gabinete de estética que o vende.

Beijinho enorme.

Janita disse...

Lembro-me de ouvir falar nesse creme Benamôr, sim! :)
Comprei há dias um sabonete de romã. É cremoso e muito macio.

O cheiro que me traz lembranças de infância, não sei se da minha mãe ou irmã, é o do sabonete «Feno de Portugal». Lembras-te?

Abraço.

Dalma disse...

Lembro-me e tb da Pasta Medicinal Couto, que ainda se continua a vender nas drogarias ou farmácias, não nos supermercados!

bettips disse...

São estas "as viagens". Não são ir "de cruzeiro" aos canais de Veneza (se bem que eu teria gostado de lá ir, antes de...), 2 vezes ao Hermitage, 3 a Paris ou o que seja. Viajar é também pelas idades, memória, a curiosidade, a vontade de conhecer a origem das coisas. Da minha mãe, lembro o frasquinho "Madeiras do Oriente" guardado entre os lenços de mão, o pó-de-arroz de toque e cor rosa suave.
Abraço

O meu pensamento viaja disse...

As minhas memórias mais fortes são as olfativas. Desse creme não tenho lembrança, mas recordo nitidamente uma água de colónia com forte perfume a lavanda, da Ach. Brito. Vinha num frasco verde e se voltar a vê-la não deixarei de comprar.

luisa disse...

Ainda se encontra desse creme Benamôr. Rosa para o rosto, verde para as mãos ( se não me engano). :)

ematejoca disse...

O meu comentário lá em cima, dá ideia que é uma crítica ä minha mãe, e até já pensei mesmo apagá-lo, mas NÃO é!!! Ficava sempre satisfeita e orgulhosa, quando os meus amigos diziam que ela parecia uma artista de cinema, tão bonita que era.

Quanto aos sabonetes "Feno de Portugal", que a Janita menciona, comprei vários numa loja da Rua das Flores, para oferecer às minhas amigas alemães.

Abraço 🍀

ematejoca disse...

Maldita tablet!!!

*amigas alemãs* 🙃

Graça Sampaio disse...

A minha avó espanhola, que tu conheceste, usava Tokalon. Todos os dias. E que perfume o do creme Tokalon! Também nunca vou esquecer...

Rosa dos Ventos disse...

Não dá nada essa ideia, eu considerei um elogio, Teresa!

Abraço

Rosa dos Ventos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rosa dos Ventos disse...

Era a pasta de dentes do meu pai e adoptada por toda a família!

Abraço

Rosa dos Ventos disse...

Ainda hoje gosto desse sabonete!

Abraço

Olinda Melo disse...


Olá, Rosa dos Ventos


Bons ventos lhe trouxeram esses cheiros. Diz-se que os cheiros trazem-nos recordações de que nem suspeitávamos. Por isso, é natural que esse sabonete lhe trouxesse à lembrança a sua mãe. A mim, há um talco que me faz recordar a minha mãe. Sempre que sinto o odor, tenho uma lagriminha no canto do olho. Com o tempo vem acompanhada de um sorriso de ternura.

Beijo

Olinda

Rosa dos Ventos disse...

Também me lembro desse creme!

Abraço

Rosa dos Ventos disse...

São sensações desencadeadas em segundos e que trazem lembranças que fazem sorrir!

Abraço

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Toc toc toc. "Quem é?...
"É a saudade" rs rs.

Duarte disse...

Recordar é viver e com que cria de sentimentos!
Beijinhos

Clara disse...


Tenho a certeza que esta tua publicação deixou toda a gente a sorrir e a viajar pelas suas memórias olfativas! 😊
(sei disso porque a mim deixou!)

Lembro-me perfeitamente desse creme e do desenho da caixinha. E lembro-me também de que havia uma pomada numa caixinha de lata redondinha e pequenina que nós usávamos para hidratar os cotovelos secos e gretados, o "Pomito Lencart". Lembras-te?

Beijinhos com memória
(^^)

Portuguesinha disse...

Por vezes acontece.
O poder olfactivo é muito forte.
Podemos até sentir obsessão para tentar recordar o que um cheiro nos trás.. sabemos que é algo agradável, bom, mas o quê não surge...

Gosto de pensar, por vezes, que são eles a comunicar algo. Ou a dizer "olá".
Acredito que tais coisas acontecem.