terça-feira, agosto 04, 2009

"Rapidíssima" sem enigma

Aviso:
Este post é a continuação do anterior.

De Condeixa seguimos para Alcabideque...
...nome arabizado em que o reconhecível prefixo al - obscurece uma raíz latina - significando, literalmente, "mãe-d´água".
A estrutura que surge na imagem não é mais do que uma torre de captação de água junto a um tanque recolector que servia para captar e elevar a água, para seu posterior transporte, através de uma conduta de 3 kms, quase toda subterrânea, que abastecia Conimbriga.
Perdida a sua funcionalidade o "castellum", nome pelo qual é conhecida a torre, subsiste enquanto exemplo da engenhosa construção romana.

Este tanque serve ainda de piscina à garotada da aldeia.


Passagem por Soure por cujos campos correm as águas dos rios Anços, Arão e Arunca, subafluentes da margem esquerda do Mondego.
Esta vila tem vários vestígios arqueológicos que atestam a ocupação na época luso-romana.
O edifício mais emblemático é, sem dúvida, o dos Paços do Concelho em estilo neo-manuelino.

Seguiu-se Montemor-o-Velho (Monte-Mayor dos trovadores medievais) coroado por um belíssimo castelo do qual não apresento a panorâmica geral devido ao facto da imagem ter ficado cheia de fios de electricidade e telefónicos.
Não entendo como é que autarquias com este tipo de património não conseguem que as entidades responsáveis sejam obrigadas a enterrar estes fios.
Os romanos faziam condutas subterrâneas de kms para transportar água e nós, no século XXI, continuamos a ver este emaranhado de fios pelo ar...
Esta imagem e a de baixo apresentam duas perspectivas do interior do castelo que está, aliás, muito bem cuidado.
Do alto das muralhas observam-se os campos verdes do Mondego.








Finalmente, paragem em Coimbra para uma visita bem prolongada às ruínas "requalificadas" do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha onde, ao lado, foi construído um moderno edifício que alberga um pequeno museu das peças encontradas nas escavações, um auditório onde se pode assistir a um filme de 18 minutos que conta a história do velho convento submerso pelas águas do Mondego, um bar e uma esplanada bem simpática.


Esta é uma das imagens do interior do velho mosteiro, tirada do piso superior.
E terminou este breve itinerário por terras da zona centro...





22 comentários:

Si disse...

Faltaria a muito bom governante o conhecimento profundo deste património que, salvo algumas raras excepções como as apresentadas, se encontra inexoravelmente degradado e perdido.
'Bora lá publicar um roteiro com as fotos com que nos presenteia, orientado pelos braços de uma Rosa dos Ventos???

maria mar disse...

Rosa, fotos muito lindas, ainda bem que partilhas um pouco da beleza do património por onde passas. Esta tua sensibilidade deveria ser contagiante para muitos autarcas, que nao se preocupam em preservar os seus patrimónios históricos. Bjoca

Duarte disse...

Há muito que não vou por estas latitudes, o mais que me aproximei foi da Figueira da Foz. Estas imagens geraram em mim o desejo de voltar a reencontrar-me com a historia e a arquitectura.
Bom, parece que começamos a recuperar o nosso extraordinário património.

Obrigado pela divulgação.

Beijinhos

Pitanga Doce disse...

Já estive em Conimbriga e foi um dos passeios mais bonitos que já fiz. Adivinha com quem?????

boa noite Rosa

hfm disse...

Com estas palavras e imagens percorri um pouco do meu Portugal. Obrigada.

Rosa dos Ventos disse...

Pitanguinha
Claro que foste com a Julinha!
Adivinhei? :-))

Abraço Pitanga Dançante

Pitanga Doce disse...

Rosa, a Julinha nessa época ainda não "estava" por aqui. Foi com o rapaz. O meu guia em caminhos de Portugal e não só.

boa tarde

Tite disse...

Andavas com preguiça?

Andavas mas era a preparar este belíssimo post que tem muito que se lhe diga de estudo do que visitaste.
Isto não está nas fotos, tem que se consultar por lá ou nos livros.

Obrigada por partilhares connosco.

Beijossss

Dina disse...

E eu a pensar que tinhas ido a banhos...afinal o banho foi no património da zona centro.
Há poucos dias passei por Coimbra mas infelizmente ia com o tempo contado e não deu para fazer uma paragem. Oxalá da próxima não tenha tanta pressa.

goiaba disse...

Obrigada pela visita guiada.
Abraço

Anónimo disse...

Então desta vez não se comeu nada?
Levou-se farnel,que crise aperta?Pronto,as imagens e respectivos comentários transbordaram-me as medidas,aprendi tanto que nem os pastéis de Tentúgal me vieram à memória.Grande e valiosa reporter,Rosa.Abraço
Kincas

bettips disse...

Que bom! ver algo e cidade que não vejo há que anos... Já me re-programo para "um dia".
...não havia "ventos" mas houve "rosas"...
Bjinho

Rosa dos Ventos disse...

Claro que houve almoço e jantar, mas tive vergonha de falar no assunto, não vá alguém pensar que eu só passeio para comer! :-))
Cá vai então a ementa e os locais do repasto:
Almoço em Montemor - uma saborosa espetada mista de entrada, seguida de uma razoável feijoada de chocos, um vinho branco fresquinho e uvas.
Jantar na Boavista - leitão com a pele bem estaladiça e acompanhado por tudo o que lhe é devido! :-))
Desta vez éramos só meninas...

Abraço

pin gente disse...

muito interessante... boas fotos, rosa!
onde estou os fios também desfeiam a paisagem... é uma pena!
beijos
luísa

Justine disse...

Uma colorida lição de história das nossas terras próximas. Obrigada por me levares por aí, de mãos dadas:))

fj disse...

Onde é que eu já ouvi isto???
bem podias escrever um livro...também!


Parabéns! belas fotos para além d'uma excelente descrição dos locais visitados...Caso para dizer o saramago que se cuide.
:))
beijinhos

fj disse...

Não entendes como é que autarquias com este tipo de património não conseguem que as entidades responsáveis sejam obrigadas a enterrar estes fios???

Rosa, quais são as autarquias que o fazem?

olha se o fizessem na cidade onde vivo ainda hoje as pessoas estavam em espera para ter telef e electricidade.
Teremos que ser realistas!!!

quase todos sabemos o quanto é necessario para o fazer, assim como as condições em q têm que ser feitas...
(falo naturalmente dos locais historicos)

Rosa dos Ventos disse...

Caro FJ
Eu sei que é muito difícil, quase impossível, há muitos constrangimentos nesse tipo de solução, mas adorava tirar fotografias sem fios na minha frente! :-))
Manias...

Abraço

Maria P. disse...

Que belo passeio!:)

Beijinho*

Madrigal disse...

Conheço muito bem todo este património, mas onde estão os celebérrimos pelourinhos, les places des suplices, que tu tanto gostas de nos mostrar?

As fotos estão excelentes, bem como os textos, de um bom gosto inexcedível.

Um abraço do amigo virtual.
Jorge

Rosa dos Ventos disse...

Caro Madrigal
Até fotografei pelourinhos mas desisti de os colocar aqui para não te causar calafrios! :-))

Abraço

Arabica disse...

Belas fotos a comprovar o prazer que os olhos gozaram!

Bom ver-te através dos teus olhos :)