quinta-feira, outubro 11, 2007

Meu país amado...

Meu país lavado
P´las águas de Outono
P´las lágrimas
De dor
Mas também de riso
Meu país dourado
De areias
Vinhedos
E arvoredos
Meu país parado
À beira de mágoas
À beira de águas
Meu país esquecido
Mas também lembrado
Meu país amado!

18 comentários:

Victor Nogueira disse...

Viva :-)
E diz a Rosa que não sabe poetar e muito menos quadrar, Se soubesse, que rumo lhe indicariam os ventos ?!
Moça, estou publicando os textos dos que participaram:
Depois virá o Outono Douro. Mas tenho uma surpresa para a moça, mas não seja impaciente.
Lá recebi o seu mandado e por isso aqui vim. Meus 'gradecimenmtos.
Bjo grande
VM

Justine disse...

Poetisa??
Gostei, está cheio de ritmo, o teu poema.

AnaG. disse...

Grande surpresa!!!

Gostei muito...
:)

Beijitos

Maria disse...

Oh, que poema bonito, ao teu país amado.....
Gostei...

Um abraço

Belisa disse...

Olá :)

Que poeminha mais lindooooooooo!

Beijinhos estrelados

TsiWari disse...

País tristemente parado...


...e, ainda assim, amado!


***

Luis Eme disse...

Poema bonito, sentido, forte...

Já podes aparecer no "Casario", já fiz a "montra"...

Esplanando disse...

Deu-te para a poesia?! É tua!? :-)

(olha eu a comentar um post de poesia) ;-)

Kincas disse...

Ainda não me refiz da emoção/comoção! É heróico amá-lo e dizê-lo.

Beijinhos

Rosa dos Ventos disse...

Não me pareceu um comentário à poesia, querido Esplanando.
Pareceu-me mais um comentário de dúvida, mesmo de espanto!
Bjs

estrelanomar disse...

Olá :)

Venho por este meio...não , não é uma carta.... venho lhe oferecer "estrelinhas doces"... não é preciso comprar...é só passar no meu blog... e deixar uma palavra apenas... para que eu possa responder...pois adoro escrever...e qual o destino e assunto... saber!

estrelinhas doces
Belisa

Mustafa Şenalp disse...

Your blog is very nice:)

Berta Helena disse...

Bonito este meu país amado. Nele leio também os meus senimentos sobre este país tão amado, apesar de tudo...

Felicidades.

Bartolomeu disse...

Rosinha s'eu fôra o sô Socrates, nomeava-te ministra da cultura e do turismo, ahhh e acumulavas as pastas da gastronomia, enologia e doçaria. Era muita pasta, mas não precisavas de pasta, porque ias ter tudo à borlex... simplex, não achas?

Esplanando disse...

Que não existam dúvidas... tudo o que dizes é sempre poesia para mim! O espanto não foi a poesia num post mas sim um post de poesia! ;-)

LB disse...

Lindo!
Eu, quanto mais conheço outros, mais gosto deste...

Beijinho

pin gente disse...

o teu país é o meu país

beijo
luísa

Victor Nogueira disse...

Olá :-)
Penso que este poema é para ao Sabor do Olhar! Gostei!
Bjos
VM