quarta-feira, agosto 27, 2014

Cleo

Às vezes acontece virem parar-me às mãos textos de autores/as completamente desconhecidos/as!
Foi assim que li de um fôlego "Cleo" de Hellen Brown, uma cronista nascida e criada na Nova Zelândia!
Pelo que me apercebi é uma história verídica que me fez deitar algumas lágrimas, embora não tenha grande valor do ponto de vista literário, fiquei mais uma vez rendida ao papel dos gatos na mitigação de desgostos terríveis!
Deixo-vos com um pequeno extracto.
"Uma divisão é mais bonita quando está decorada com um gato. A sua presença sedosa transforma uma coleção de cadeiras, brinquedos espalhados e pratos com migalhas num templo que apazigua a alma. Nós, pobres seres humanos, cometemos inúmeros erros com as tentativas neuróticas de nos agarrarmos ao passado e controlarmos o futuro. Precisamos de um gato para nos recordar que devemos simplesmente ser."

18 comentários:

AFRODITE disse...


Minha querida... esse excerto que escolheste é uma autêntica lição de vida!

Um abraço forte

Janita disse...

Gostei deste excerto de "Cleo" que suponho ser o nome do gato/a.

Para ser sincera gosto mais de cães, apesar de ter um gato que se dá lindamente com o cão e do qual gosto muito.
São óptimos animais de companhia, mas mais amigos do conforto de casa do que propriamente da dona, ao contrário dos cães.

Um abraço.

Rui Pascoal disse...

Para ser sincero gosto mais de cães, desde que eles ouçam bem... à primeira, entenda-se. Para "surdos" já chegam os gatos cá de casa.
:)

Rogerio G. V. Pereira disse...

Sobre gatos, já tudo foi (por mim) dito

http://conversavinagrada.blogspot.pt/2013/11/memorias-com-bichos-2-gato-1986-1992.html

Majo disse...

~
~ ~ Interessante!

~ ~ Parecem-me sentimentos plausíveis...

~ ~ Mas detesto apreciar os bichanos em passeios sobre as bancadas e dentro dos armários da cozinha!

~ ~ ~ ~ Abraço. ~ ~ ~ ~

Majo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Majo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Graça Sampaio disse...

Gostei da passagem que escolheste, mas decerto não vou ler o livro: não aguento histórias com crianças e animais - comovem-me muito.

Beijinhos

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Não conheço a autora, mas adoro gatos. O excerto que aqui transcreve aguçou-me a curiosidade.

Teté disse...

A citação é deliciosa. Embora me tenha feito lembrar uma casa que visitei em tempos, cujo dono tinha uma coleção de gatos completa: dos vivos, em porcelana, em quadros, bordados, etc. e tal. Era uma casa muito estranha... :)

Abraço

redonda disse...

Gostei do texto. Vou procurar o livro :)
um beijinho

lis disse...

Os gatos costumam inspirar as melhores crônicas.
E ficar rendida a leituras mostra a sensibilidade da Rosa o quem agradeço a partilha,
abraços

Pedro Coimbra disse...

Já ontem comentei noutro blogue que o meu avô paterno dava de comer a todos os gatos abandonados que encontrava.
O quintal de casa dele era uma gataria impressionante!

Catarina disse...

Embora não tendo animais de estimação (ainda) compreendo a sua importância e os benefícios que nos podem trazer. Acariciar um animal, por exemplo, alivia o stress. Só por isso, vale a pena...

Existe Sempre Um Lugar disse...

Boa tarde, ter um animal domestico em casa fantástico, este passa a fazer parte da família, adoro gatos, sei que são uma boa companhia e são mais independentes que os cães.
AG
http://momentosagomes-ag.blogspot.pt/

Tétisq disse...

eu não sou de ter animais de estimação acho que o 'simplesmente ser' também se pode aplicar às plantas...

Tétisq disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
São disse...

Gostei do excerto, adoro felinos e desconheço a escritora.

Penso que não são só os gatos a ter esse poder de consolar as pessoas que sofrem....os cães também o têm!

Sei isso por experiência minha.

Beijinho