segunda-feira, novembro 18, 2013

Do Bangladesh para Portugal

Quando vim viver para Lisboa, havia um mini-mercado no rés-do-chão do prédio que era explorado por estrangeiros, talvez indianos...nunca lhes perguntei a nacionalidade.
Vendiam o básico na área da mercearia mas não tinham legumes e fruta muito pouca.
O estabelecimento não convidava a entrar porque, ou por maneira de ser ou por falarem muito mal português, não eram simpáticos nem primavam pela higiene.
Fecharam em Abril.
Há umas semanas notei grande azáfama nesse espaço e deduzi que iria reabrir com nova gerência.
Eu, que detesto grandes superfícies, fiquei feliz da vida quando lá entrei pela primeira vez.
Tudo bem arrumado, prateleiras bem expostas, variedade de legumes e fruta, preços razoáveis e uma enorme simpatia.
Perguntei aos dois jovens que lá se encontravam, um na caixa, o outro a ajudar a clientela de onde eram e eles responderam:
- Bangladesh!
- Bangladesh?! - questionei com admiração.
- Sim!- disseram eles com um largo sorriso.
Estão abertos das 8 h da manhã às 11  h da noite e o primeiro cumprimento de "Bom dia!" que recebo quando chego à rua é deles, acompanhado de:
- Hoje tudo fresquinho, senhora!
Estou a torcer para que tenham sucesso.

19 comentários:

Justine disse...

Pois que tenham muito sucesso - mercearia de bairro é uma necessidade básica para mantermos o contacto humano, seja ela de portugueses ou de estrangeiros!

Graça Sampaio disse...

Oxalá! Devem trabalhar que nem mouros... Boa sorte para eles e para ti que ficas com fornecedor de bairro bem a teu gosto.

Beijinhos frescos...

Jorge disse...

Os ventos que trouxeram esses nossos jovens amigos do Bengladesh para Portugal foram certamente os da esperança numa vida melhor. Que a simpatia e o apuro deles tenha o seu retorno, são os meus votos.
Um abraço,
Jorge

maria disse...

Olha que bem, simpatia, asseio, horário alargado e tudo fresco à porta de casa...que se pode pedir melhor?

Abracinho :)

Ricardo Santos disse...

Um Povo, uma realidade que pelos vistos está a mudar, a ver pelo que tu contaste Bangladesh

Maria disse...

As mercearias de bairro estão a desaparecer...espero que essa que vem de longe saiba encontrar o caminho que as portuguesas não encontraram!
Bjs
Maria

Lilá(s) disse...

A diferença está logo no horário...
Bjs

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Uma prova de que por vezes somos injustos nas generalizações. Também há gente limpa e educada no Bangladesh.
Boa semana, Rosa

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Que legal! Tomara mesmo que tenham sucesso, pois educação e higiene são principais num comércio, ainda mais se for um restaurante. Beijos, Rosa.

São disse...

Para mim , que detesto grandes superfícies e sempre preferia estas áreas mais pequenas e humanizadas, compreendo a tua alegria e partilho o desejo de sucesso para os jovens!

Dorme bem

Teté disse...

Dá um jeitaço ter um desses mini-mercados por perto, ainda mais quando quando é um local asseado e os donos simpáticos... :)

Abraço

Tétisq disse...

pena serem estrangeiros a investir nesses negócios de bairro, dão muito jeito!

Pedro Coimbra disse...

Se estão a ter essa dedicação, merecem, ter sucesso.
E, sejamos honestos, o atendimento personalizado é TÃO diferente do tom impessoal das grandes superfícies.

DIOGO_MAR disse...

São pedaços de uma vida exposta nas prateleiras de uma forte vontade de sucesso.

Diogo_Mar

http://diogo-mar.blogspot.com/

quem és, que fazes aqui? disse...


Ainda bem que tens à porta tudo fresquinho. :))

Aqui, no meu bairro, há um mini mercado, que abriu há ano e meio. Os donos são um casal amoroso. Ele de canadianas e ela com a sua bengala. Acredita que, não tendo muito do que necessito, lá vou só para os ver e agradecer por eles não estarem enfiados num lar!

Beijinho

Rui Espírito Santo disse...

ahahah... A origem não é o que importa 1 O importante é a simpatia, em primeiríssimo lugar, acompanhada por um "serviço" de qualidade, a preço justo ! :))
Oxalá tenham sucesso, para bem de todos ! :))
... e lá está, 15 h. de trabalho diário ! ... "Quem quer bolota trepa" ! :))))

Abraço Rosa ! :)))
.

Anónimo disse...

Adoro mercearias de bairro.:))
Que tenham muita sorte, para alimentarem sorrisos:))

Aquele abraço, Rosinha
Nina

Rosa dos Ventos disse...

No bairro há outro estabelecimento do género que é de chineses e é outro caso de simpatia, de preços razoáveis e de qualidade dos produtos.
Só que fica um pouco mais longe e eu se puder dar um passo não dou dois! :)


Abraço

AFRODITE disse...


Lojas de chineses a vender frescos?
Para mim isso é novidade.

Mas aqui o que conta é a qualidade dos produtos e a simpatia no atendimento.
Ah... e que sejam produtos nacionais, porque nas grandes superfícies somos asfixiados com produtos estrangeiros.
Eu continuo na minha senda do "O que é nacional é bom".


Beijinhos nacionais
(^^)