terça-feira, julho 19, 2011

Ernestina

O meu gosto por enigmas levou-me a um escritor português que apenas conhecia da crítica literária.
Eu passo a explicar.
Aqui há uns tempos, a Gábi do blog Redonda, que podem encontrar nos meus favoritos, lançou uma questão à qual respondi e ela teve a gentileza de me enviar como prémio este livro de J. Rentes de Carvalho que me deixou rendida à sua prosa.

De ascendência transmontana, J. de Carvalho nasceu em Gaia em 1930, frequentou Românicas e Direito em Lisboa e, por razões políticas, abandonou o país. Viveu no Rio de Janeiro, S. Paulo, Nova Iorque, Paris, acabando por  fixar em 1956, em Amesterdão, na Holanda..
Este romance conta, na primeira pessoa, a  história da sua família originária da aldeia de Estevais, concelho de Mogadouro, provavelmente um pouco ficcionada. 
Entre o cenário da aldeia, da rudeza das terras transmontanas, da luta das suas gentes pela sobrevivência e Gaia/Porto onde nasceu e viveu com os pais move-se uma família com as suas  grandezas e misérias, amores e desamores e  segredos mal adivinhados.
"Ernestina", o nome de sua mãe, é uma homenagem a esta mulher de uma enorme complexidade psicológica e é, estranhamente, o nome de uma jovem referida nas últimas páginas do romance que o autor faz terminar quando tem 15 anos.

Nota: fiz uma muito breve referência à biografia de J. Rentes de Carvalho e uma pequena abordagem do conteúdo deste romance que já vai na 7ª edição na Holanda.
Fiquei fã deste autor e agora vou "lançar-me" a um outro livro seu intitulado "A Amante Holandesa".
Se desse lado houver alguém que possa enriquecer este insípido testemunho, agradecia!

23 comentários:

oops!!! disse...

http://tempocontado.blogspot.com/

Nina disse...

Este senhor ilumina os nossos dias, meus e do Nando, que mo fez descobrir.
Ernestina é daqueles romances que se lê de uma só vez. Somos fãs, não só da sua prosa, como de tudo o que escreve no seu blogue-que o oops!!! aqui deixou.
Neste momento, estou a ler "La coca".
bji gde

ematejoca disse...

Na verdade, descobri o J. Rentes de Carvalho no blogue da Nina.

Dizem que é muito conhecido na Holanda, embora não seja lá muito simpático com os holandeses, quando diz:

"Na Holanda a tolerância é o álibi da indiferença"

Claro que não concordo!!!

Fiquei com curiosidade de ler
"Ernestina", uma vez que a minha mãe também era transmontana.

Como o oops!!! deixou o link do blogue deste escritor português/ holandês, vou até lá para saber se está traduzido em alemão.

Flor de Jasmim disse...

Rosa
Não conhecia. Obrigado pela partilha vou conhecer.
Beijinho

Felipa disse...

Não conheço este autor, embora o tema do livro me interesse. Espero encontrar um dos seus livros para ter o prazer de o ler.
Bj e obrigada pela partilha

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Embora conheça, nunca li nada dele, mas já ouvi algmas críticas igualmente positivas

Lacorrilha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rogério Pereira disse...

Insípido testemunho?
Nem pense.
Nem insípido nem inodoro
Gosto de apelos à leitura
Digo-lhe até que adoro...

(a divulgação de um livro
é um gesto bonito...
e útil)

Manuela disse...

Querida Rosa, desconheço esta obra e o seu autor, mas aguçaste-me o apetite e já tomei nota para a próxima ida à livraria . Obrigada, pela partilha :)

helia disse...

Eu não conhecia este escritor . Fiquei com curiosidade e quando tiver oportunidade vou procurar conheçê-lo através dos seus livros.

goiaba disse...

Nada sei sobre esse escritor e não me lembro de ver por aí o livro mas, aguçado o apetite, vou porcurar quando da minha próxima incursão à FNAC.
Obrigada. Abraço

Flor de Jasmim disse...

Rosa querida
Venho deixar o meu beijinho muito especial neste dia da Amizade.

redonda disse...

Não está nada insípido, até porque não se pode revelar muito do livro, para se manter o interesse!
um beijinho e fiquei muito contente por o prémio ter sido apreciado e motivo para post :)

as-nunes disse...

Também fiquei a conhecer este escritor há pouco tempo num programa da televisão, "Câmara clara", será assim que se chama?
Que é um programa extraordinário lá isso é.
Comprei o livro "Tempo Contado" Diário.

Gostei de ouvir J. Rentes de Carvalho. Um caso intrigante de extrema simplicidade mas muita sabedoria e vivência, que me aguçou o interesse de conhecer melhor a sua obra.

...
Só que ando numa maré de comprar livros (para ler, claro)...
Mas quando é que os vou conseguir ler todos?
...

Lua Nova disse...

Ler é desbravar mundos, ampliar horizontes e dar asas à nossa alma.
Não conheço esse, mas heis aí uma ótima oportunidade de conhecer. Devo encontrá-lo cá no Brasil... será?
Gostei muito do seu blog, este pequeno recanto português.
Convido-a a conhecer o meu e saborear um chocolate quente comigo.
Beijokas.
Seguindo...

mc disse...

Acabei literalmente de ler deste autor "La Coca", centrado no Minho com ramificações pelo mundo. Há menos de meia hora! Conheço já "A Amante Holandesa", muito centrado em Trás-os-Montes ,num ambiente e com uma problemática muito diferente . Mas tanto num como noutro está muito presente Amsterdão.
A nota dominante poderá ser a da diferença quanto ao que cá se escreve sobre o "português" e nomeadamente no âmbito da diáspora.

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Muito bom! Gosto de saber dessas histórias literárias. Beijos.

Justine disse...

Gosto muito do Rentes de Carvalho, Rosa. Por razões que tu sabes li há tempos "Dos holandeses",muito interessante, e gostei muito do último, "La Coca".
Boas leituras:))))

Lilá(s) disse...

Lembro-me de o meu pai falar nesse autor! Fiquei com curiosidade de ler
"Ernestina".
Bjs

Rosa dos Ventos disse...

Os meus agradecimentos àqueles que acrescentaram algo sobre J. Rentes de Carvalho e ainda foram bastantes.
Aos que ainda não leram nada dele, dou o conselho de não perderem tempo - vale a pena!

Abraço a todos

Duarte disse...

A isto é ao que devemos chamar uma sinopses das que engancham, que induzem à leitura. Já tomei nota.

Abraços e um muito obrigado

carol disse...

Nunca li nada dele. Vou ter de ler.

Merci!

Beijinhos

Tite disse...

Nunca li nada deste autor mas depois de ouvi-lo na Televisão e do teu conselho desinteressado, acho que devo partir para uma boa experiência.

Transmontana já sou, agora preciso confirmar as ambiências.

Beijossssss